O CABOCLO DAQUI...

Observação:
Este Blog/ Força das Matas pertence à Ronita Eliane.
Todos os demais sites mencionados,são indicações deste blog/aos seguidores e visitantes.





JESUS,O GOVERNADOR DO MUNDO!!!

JESUS,O GOVERNADOR DO MUNDO!!!

Marcadores

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

CAPELA SISTINA EM 360 GRAUS!MARAVILHOSA VIAGEM....!!!CLICK NO LINK!!

http://www.vatican.va/various/cappelle/sistina_vr/index.html
CLICK NO LINK!

CHICO XAVIER NA SAPUCAÍ JAMAIS PODERÁ SER UM ENREDO DA RAZÃO?

IMAGEM ''TEMPERANÇA''

CHICO XAVIER NA SAPUCAÍ JAMAIS PODERÁ SER UM ENREDO DA RAZÃO?

Jorge Hessen





Sem querer ser “fiscal do Espiritismo” (como costumam dizer os espíritas “bonzinhos de carteira funcional e crachá”) e ditar regras de falsos purismos e extemporâneos sermões embebidos de ladainhas, não nos omitiremos em comentar a reportagem veiculada pelo jornal O Globo, assinada pelo repórter Rafael Galdo, noticiando que a escola de samba Unidos do Viradouro trará, neste ano de 2011, um carro alegórico contendo a imagem do Francisco Cândido Xavier. Tal iniciativa é para fugir do convencional, a fim de voltar ao Grupo Especial, consoante afirma o carnavalesco Jack Vasconcelos. Nesse projeto que homenageia Momo, uma das apostas da escola de samba é um setor inteiro, no fim do desfile, dedicado ao “espiritismo”(!?). No enredo “Quem sou eu sem você”, Jack fará, no último carro, uma homenagem ao Médium de Pedro Leopoldo. Chico será representado por uma escultura (em que aparecerá psicografando) cercada por 60 componentes, alguns deles “espíritas”(!?), que farão uma performance de “mediunidade” (!?). Todo espírita estudioso sabe que nenhum espírito[a] equilibrado, em face do bom senso que deve presidir a existência das criaturas, pode fazer a apologia da loucura generalizada, que adormece as consciências, nas festas carnavalescas. Por essa razão, consterna-nos o fato de ver ligado a festas profanas o tema “Espiritismo”, assim como a personalidade impoluta de Chico Xavier. A dita matéria afirma que a Federação Espírita Brasileira estaria de acordo com tal projeto, desde que nenhum “preceito do espiritismo seja desrespeitado na apresentação da vermelho e branca”. Duvido disso! Pois a FEB jamais apoiaria tal iniciativa. Cremos até que nesse caso a FEB deveria tomar as medidas cabíveis a fim de coibir, ainda que por via judicial, a absurda “homenagem”.

Divulgar a Doutrina Espírita é um ato de caridade para com ela, entretanto, divulgá-la através desse meio é, sem dúvida, deturpá-la em suas bases, causando incalculáveis prejuízos morais, com grande responsabilidade vinculada. Por isso mesmo, mantenho convicção de que a FEB não endossará essa situação, até porque há incompatibilidade total e absoluta entre os objetivos do folguedo momesco e os postulados da Doutrina dos Espíritos. A origem do carnaval remonta as teias primitivas de um passado remoto que devemos, por impulso evolutivo, abandonar urgentemente. O termo carnaval é oriundo de uma festa romana e egípcia em homenagem ao Deus Saturno, quando carros alegóricos (a cavalo) desfilavam com homens e mulheres. Eram os carrum navalis, daí a origem da palavra "carnaval". Há quem interprete a palavra conforme as primeiras sílabas das palavras da frase: carne nada vale. Como festa popular, poderia ser um acontecimento cultural plausível, não fossem os excessos cometidos em nome da alegria.

Acompanhar a espetacularização da imagem de Chico Xavier, de André Luiz e de tantos outros irmãos queridos nossos, que tanto contribuíram e contribuem com seus ensinamentos sublimes, aliadas a uma festa que é a própria apologia às piores viciações do ser humano, é o que podemos chamar de cúmulo do paradoxo entre a teoria e a prática Espírita. Por essas razões, recomenda o Espírito André Luiz para "afastar-nos de festas lamentáveis, como aquelas que assinalam a passagem do carnaval, inclusive as que se destaquem pelos excessos de gula, desregramento ou manifestações exteriores espetaculares, pois a verdadeira alegria não foge da temperança.”

Estudos demonstram que durante os delírios e farras dos carnavalescos, para cada 100 casais que caem juntos na folia, setenta terminam a noite brigados (cenas de ciúme etc.); que, desses mesmos 100 casais, posteriormente, sessenta sucumbem ao adultério, cabendo uma média de trinta para os homens e trinta para as mulheres ; que, de cada 100 pessoas (homens e mulheres indistintamente) no carnaval, pelo menos setenta se submetem espontaneamente a coisas que normalmente abominam no seu dia a dia, como álcool, entorpecentes etc. Dizem ainda que tudo isso decorre do êxtase atingido na “grande festa”, quando o símbolo da “liberdade” e da “igualdade”, mas também da orgia e depravação, somadas ao abuso do álcool, levam as pessoas a se comportarem fora do seu normal. O Espírito Emmanuel adverte: "Ao lado dos mascarados da pseudo-alegria, passam os leprosos, os cegos, as crianças abandonadas, as mães aflitas e sofredoras. (...) Enquanto há miseráveis que estendem as mãos súplices, cheios de necessidades e de fome, sobram as fartas contribuições para que os salões se enfeitem."

Na ribalta dos carros alegóricos, os obsessores "influenciam os incautos que se deixam arrastar pelas paixões de Momo, impelindo-os a excessos lamentáveis, comuns por essa época do ano, e através dos quais eles próprios, os Espíritos, se locupletam de todos os gozos e desmandos materiais, valendo-se, para tanto, das vibrações viciadas e contaminadas de impurezas dos mesmos adeptos de Momo, aos quais se agarram."

"É lamentável que na época atual, quando os conhecimentos novos felicitam a mentalidade humana, fornecendo-lhe a chave maravilhosa dos seus elevados destinos, descerrando-lhe as belezas e os objetivos sagrados da Vida, se verifiquem excessos dessa natureza [CARNAVAL] entre as sociedades que se pavoneiam com os títulos da civilização.” Os foliões inveterados alegam que o carnaval é um extravasador de tensões, liberando as energias (?!) Ora!... transbordador de tensões é a capacidade de se arregaçar as mangas e colaborar em regime permanente (sem ôba-ôba) na recuperação das vítimas das cidades serranas do Rio de Janeiro, destroçadas pelas chuvas recentes). É verdade! No período carnavalesco, não encontramos diminuídas as taxas de agressividade e as neuroses. O que se vê é um verdadeiro somatório da violência urbana e de infelicidade familiar. As estatísticas registram como consequências do "reinado de Momo", por exemplo, gravidezes indesejadas e a consequente proliferação de abortos provocados, acidentes automobilísticos, aumento da criminalidade, estupros, suicídios, incremento do uso de diversas substâncias estupefacientes e de alcoólicos, assim como o surgimento de novos viciados, disseminação das doenças sexualmente transmissíveis (inclusive a AIDS) e as ulcerações morais, marcando profundamente certas almas desavisadas e imprevidentes.

Os três dias de folia, assim, poderão se transformar em três séculos de penosas reparações. É bom pensarmos um pouco nisto: o que o carnaval traz ao nosso Espírito? Alegria? Divertimento? Cultura? Será que o apelo de Momo faz de nós homens ou mulheres melhores? Edifica o nosso Espírito? Muitos espíritas, ingenuamente, julgam que a participação nas festas de Carnaval, tão do agrado dos brasileiros, nenhum mal acarreta à nossa integridade fisiopsicoespiritual. No entanto, por detrás da aparente alegria e transitória felicidade, revela-se o verdadeiro atraso espiritual em que ainda vivemos pela explosão de animalidade que ainda impera em nosso ser. É importante lembrá-los de que há muitas outras formas de diversão, recreação ou entretenimento disponíveis ao homem contemporâneo, alguns verdadeiros meios de alegria salutar e aprimoramento (individual e coletivo) para nossa escolha.

Não vemos, por fim, outro caminho que não seja o da "abstinência sincera dos folguedos", do controle das sensações e dos instintos, da canalização das energias, empregando o tempo de feriado do carnaval para a descoberta de si mesmo, o entrosamento com os familiares, o aprendizado através de livros e filmes instrutivos ou pela frequência a reuniões espíritas, eventos educacionais, culturais ou mesmo o descanso, já que o ritmo frenético do dia-a-dia exige, cada vez mais, preparo e estrutura físico-psicológicos para os embates pela sobrevivência.

Em síntese, se o carnaval é uma ameaça ao bem-estar social, nós espíritas temos muito a ver com ele, porque uma das tarefas primordiais de nossa Doutrina é a de lutar por dispositivos de preservação dos valores mais dignos da sociedade, sem que se violente, obviamente, o direito soberano do livre-arbítrio de cada um, mas não nos esquecendo que no carnaval sempre ocorre obsessão (espiritual) como resultado da invigilância e dos desvios morais. Somente poderemos garantir a vitória do Espírito sobre a matéria se fortalecermos a nossa fé, renovando-nos mentalmente, praticando o bem nos moldes dos códigos evangélicos, propostos por Jesus Cristo e não esquecendo os divinos conselhos do Mestre: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito na verdade está pronto, mas a carne é fraca''.(6)



Jorge Hessen

http://jorgehessen.net



Referências bibliográficas:



(1) Xavier , Francisco Cândido. Sobre o Carnaval, mensagem ditada pelo Espírito Emmanuel, fonte: Revista Reformador, Publicação da FEB fevereiro/1987

(2) Vieira, Waldo. Conduta Espírita, ditado pelo Espirito André Luiz, Rio de Janeiro: Ed FEB, 2001, cap.37 "Perante As Fórmulas Sociais"

(3) Xavier , Francisco Cândido. Sobre o Carnaval, mensagem ditada pelo Espírito Emmanuel, fonte: Revista Reformador, Publicação da FEB fevereiro/1987

(4) Pereira, Ivone. Devassando o Invisível, Rio de Janeiro: cap. V, edição da FEB, 1998

(5) Pereira, Ivone. Devassando o Invisível, Rio de Janeiro: cap. V, edição da FEB, 1998

(6) Mt 26:41




domingo, 27 de fevereiro de 2011

PARABÉNS DOM MANUEL!!!



Bispo recusa comenda e impõe constrangimento ao Senado Federal
Se pelo menos "ELES" ficassem envergonhados... mas qual nada!


PARABENS... ESTE FALOU O QUE
ESTÁ NA GARGANTA DE TODOS OS
BRASILEIROS !!!!!
Bispo recusa comenda e impõe constrangimento ao Senado Federal
Num plenário esvaziado, apenas com alguns parlamentares, parentes e amigos do homenageado, o bispo cearense de Limoeiro do Norte, Dom Manuel Edmilson Cruz, impôs um espetacular constrangimento ao Senado Federal, em dezembro de 2010...!!!
Dom Manuel chegou a receber a placa de referência da Comenda dos Direitos Humanos Dom Hélder Câmara das mãos do senador Inácio Arruda (PCdoB/CE). Mas, ao discursar, ele recusou a homenagem  em protesto ao reajuste de 61,8% concedido pelos próprios deputados e senadores aos seus salários.
“A comenda hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Hélder Câmara. Desfigura-a, porém. De seguro, sem ressentimentos e agindo por amor e com respeito a todos os senhores e senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la”.
O público aplaudiu a decisão. O bispo destacou que a realidade da população mais carente, obrigada a enfrentar filas nos hospitais da rede pública, contrasta com a confortável situação salarial dos parlamentares. E acrescentou que o aumento “é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão contribuinte. Fere a dignidade do povo brasileiro que com o suor de seu rosto santifica o trabalho diário. 

Parabéns Dom Manuel!!!!


Discurso de Dom Manuel Edmilson da Cruz, Bispo Emérito da Diocese de Limoeiro do Norte - CE, durante a outorga da Comenda de Direitos Humanos Dom Helder Câmara, conferida pelo Senado Federal, no dia 21 de dezembro de 2010.



A surpresa chegou aos meus ouvidos à noitinha, quinta-feira 16 de dezembro. Como o alvorecer da aurora e a vibração cantante de um bom-dia. Mais que surpresa: era como se alguém de extraordinária generosidade tivesse enfocado uma libélula projetando a sua leveza e levando-a a atingir as proporções de um águia ou de um condor.

Passa por esse crivo o meu cordial agradecimento ao senhor Senador Inácio Arruda, aos seus ilustres Pares que o apoiaram e a todo Congresso Nacional. Pensei, em vista dos meus oitenta e seis anos, em receber essa honraria por meio de um representante. Mas Congresso Nacional merece respeito. Verdadeiro Congresso Nacional é sinal de verdadeira democracia.

A honrosa condecoração, porém, dos Pais da "Pátria", (como diriam os Romanos "Patres Conscripti"), me faz refletir. Precatórios que se arrastam por décadas; aposentados, idosos com suas aposentadorias reduzidas; salários mínimos que crescem em ritmo de lesmas... depois de três meses de reivindicações e de greves, os condutores de ônibus do transporte coletivo urbano de Fortaleza, dos cerca de 26% de aumento pretendido, mal conseguiram e a duras penas, pouco mais de 6%, quer para a categoria, quer para o povo, principalmente os pobres da quinta maior cidade do nosso Brasil.

Pois é exatamente neste momento que o Congresso Nacional aprova o aumento de 61% dos honorários de seus Parlamentares que em poucos minutos chegam a essa decisão e ao efeito cascata resultante e o impõe ao povo brasileiro, o seu, o nosso povo. O povo brasileiro, hoje de concidadãos e concidadãs, ainda os considera Parlamentares? Graças ao bom Deus há exceções decerto em tudo isso. Mas excetuadas estas, a justiça, a verdade, o pundonor, a dignidade e a altivez do povo brasileiro já tem formado o seu conceito. Quem assim procedeu não é Parlamentar. É para lamentar. Prova disto? Colha na Internet.

Bem verdade é que a realidade não é assim tão simples e a desproporção numérica, um dado inarredável. Já existe - e é de uma grandeza bem aventurada! - o SUS, o Bolsa Família. Aí estão trinta milhões de brasileiros, que da linha de pobreza, às vezes até da indigência, alcançaram a classe média. É verdade a atuação do Ministério da Saúde. Existe o Ministério da Integração Nacional. É verdade! Mas não são raros os casos de pacientes que morreram de tanto esperar o tratamento de doença grave, por exemplo, de câncer, marcado para um e até para dois anos após a consulta.

Maldita realidade desumana, desalmada! Ela já é em si uma maldição. E me faz proclamar em pleno Congresso Nacional, como já o fiz em Assembléia Estadual e em Câmara Municipal: Quem vota em político corrupto está votando na morte! Mesmo que ele paradoxalmente seja também uma pessoa muito boa, um grande homem. Ainda não do porte de um Nelson Mandela que, ao ser empossado Presidente da República do seu país, reduziu em 50% o valor dos seus honorários.

Senhoras e Senhores,

A condecoração hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Helder Câmara. Desfigura-a, porém. Sem ressentimentos e agindo por amor e por respeito a todos os Senhores a Senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la! Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão, a cidadã contribuintes para o bem de todos com o suor de seu rosto e a dignidade do seu trabalho.

É seu direito exigir justiça e eqüidade em se tratando de honorários e de salários. Se for seu direito e eu aceitar, estou procedendo contra os Direitos Humanos. Perderia todo o sentido este momento histórico. O aumento a ser ajustado deveria guardar sempre a mesma proporção que o aumento do salário mínimo e da aposentadoria. Isto não acontece. O que acontece, repito, é um atentado contra os Direitos Humanos do nosso povo.

A atitude que acabo de assumir, assumo-a com humildade. A todos suplico compreensão e a todos desejo a paz com os meus sinceros votos e uma oração por um abençoado e Feliz Natal e um próspero e Feliz Ano Novo!

DEUS SEJA BENDITO PARA SEMPRE!

------------------------------
pesquisa no site 
http://www.portalsplishsplash.com/2010/12/bispo-emerito-de-limoeiro-do-norte.html


sábado, 26 de fevereiro de 2011

UTOPIA??!!!


''penso em como seria nosso mundo,nosso planeta e civilização,se todas as pessoas empenhadas em todas ostentações voltadas,ou relacionadas,à situações não somente como as do Carnaval...também à outras tantas,do mesmo modêlo...Como seria nosso mundo se as mesmas,as pessoas,enfim,nós,seres humanos,conseguíssemos com a força de nossas vontades,(repito,com a força de nossas vontades,por livre expressão do arbítrio...)com a mesma paixão,(com a mesma paixão!!!)alimentar à multidões,e moradias...e estudos e conhecimentos...Exterminando,assim,diferenças sociais,raciais..Violências..de toda sôrte...Valorizando a VIDA,com as verdadeiras Reverências que ela merece....E também,assim,ao Criador!com amor incondicional,vivenciando uma Alegria pura e cristalina,por estarmos no livre arbítrio coletivo,buscando E alcançando à isto,com a mesma determinação e paixão, que buscamos hoje,nossa civilização,''vencer campeonatos de futebol'',vencer desfiles de escola de samba''...e etc,e etc,e etc,e etc...,assim, geraríamos empregos também,e recursos....militando causas nobres e urgentes....E que tudo isto se desse,espontâneamente...Utopia?Talvez...Seja...Porém,
tenho fé e esperanças,que esta Civilização,à qual me refiro,um dia,reine na Terra.Esteja eu onde estiver,
a reverenciarei...assim como reverencio,esta civilização atual...que dá e vive o curso de todas as situações possíveis,até que todos possamos compreender...esta atual que mostra,e mostrará, à todas do porvir,que assim,como tem sido,não tem funcinado bem...Assim como reverencio,as antigas Civilizações,que deixaram-nos,algumas,ensinamentos...Outras,exemplos...Assim,passado,presente,e futuro...Nos reúne e nos convida à Refletir...''depende,de nós...de todos juntos...o que refere-se,à Conciência Coletiva!!!''
com carinhos,sinceros,
Ronita Eliane

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SOBRE O CARNAVAL/MENSAGEM DE EMMANUEL DATADA DE JULHO DE 1939.


SOBRE  O  CARNAVAL
       EMMANUEL
       
       Nenhum espírito equilibrado em face do bom senso, que deve presidir
a existência das criaturas, pode fazer a apologia da loucura
generalizada que adormece as consciências, nas festas carnavalescas.
       É lamentável que, na época atual, quando os conhecimentos novos
felicitam a mentalidade humana, fornecendo-lhe a chave maravilhosa dos
seus elevados destinos, descerrando-lhe as belezas e os objetivos
sagrados da Vida, se verifiquem excessos dessa natureza entre as
sociedades que se pavoneiam com o título de civilização.
       Enquanto os trabalhos e as dores abençoadas, geralmente
incompreendidos pelos homens, lhes burilam o caráter e os
sentimentos, prodigalizando-lhes os benefícios inapreciáveis do
progresso espiritual, a licenciosidade desses dias prejudiciais opera,
nas almas indecisas e necessitadas do amparo moral dos outros
espíritos mais esclarecidos, a revivescência de animalidades que só
os longos aprendizados fazem desaparecer.
       Há nesses momentos de indisciplina sentimental o largo acesso das
forças da treva nos corações e, às vezes, toda uma existência
não basta para realizar os reparos precisos de uma hora de insânia e
de esquecimento do dever.
       Enquanto há miseráveis que estendem as mãos súplices, cheios de
necessidade e de fome, sobram as fartas contribuições para que os
salões se enfeitem e se intensifiquem o olvido de obrigações
sagradas por parte das almas cuja evolução depende do cumprimento
austero dos deveres sociais e divinos.
       Ação altamente meritória seria a de empregar todas as verbas
consumidas em semelhantes festejos, na assistência social aos
necessitados de um pão e de um carinho.
       Ao lado dos mascarados da pseudo-alegria, passam os leprosos, os
cegos, as crianças abandonadas, as mães aflitas e sofredoras. Por
que protelar essa ação necessária das forças conjuntas dos que se
preocupam com os problemas nobres da vida, a fim de que se transforme
o supérfluo na migalha abençoada de pão e de carinho que será a
esperança dos que choram e sofrem? Que os nossos irmãos espíritas
compreendam semelhantes objetivos de nossas despretenciosas opiniões,
colaborando conosco, dentro das suas possibilidades, para que possamos
reconstruir e reedificar os costumes para o bem de todas as almas.
       É incontestável que a sociedade pode, com o seu livre-arbítrio
coletivo, exibir superfluidades e luxos nababescos, mas, enquanto
houver um mendigo abandonado junto de seu fastígio e de sua grandeza,
ela só poderá fornecer com isso um eloqüente atestado de sua
miséria moral.
       _Emmanuel_
       Psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier em Julho de
1939.
(Encartado também na Revista Internacional de Espiritismo,
 exemplar de Janeiro de 2001 páginas 565 e 566 - Editora O Clarim).

CIGANA SARAH!CIGANO PABLO!SALVE!!

LIVRO ''O PROFETA'' DE GIBRAN KALIL GIBRAN



RESENHA:
Um dos tesouros da Literatura Espiritualista, O Profeta é antes de tudo um poema ao poder do Amor Universal. Sua mensagem, cheia de compreensão e amor, clama pela união entre os homens, pelo respeito a todas as formas de vida e pela absoluta necessidade de continuidade. É uma viagem espiritual através de um dos grandes clássicos do século XX. É um conjunto de meditações sobre temas universais como o amor, a morte, a família e a esperança. 


 CLIQUE EM CIMA DO LIVRO PARA VISUALIZAR EM TELA CHEIA. BOA LEITURA

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

SOMOS FILHOS DO UNIVERSO...(NÃO SOMOS O CENTRO DO UNIVERSO!!)VÍDEO...



''Não somos o Centro do Universo!Porém,''Somos filhos do Universo,como as árvores e as estrelas,e temos o direito de estar aqui''...(como ensina Max
Ehrmann
,em Desiderata'');Sim,louvores e gratidão ao Criador!Sim,aprendendo,com humildade e gratidão,ser parte,deste Todo!Amor!!!Conexão Sublime do Universo!Despindo-nos do orgulho,e das imprestáveis vaidades da alma...Descobiremos nossa verdadeira conexão,com o Eterno!Com a inteligência Cósmica!''
Paz e Luz!!!
Iluminada Semana,desejo,à todos!
RONITA ELIANE

DESIDERATA/SERENIDADE/Texto de Max Ehrmannn/datado de 1692.


DESIDERATA...
SERENIDADE...
Transite com calma entre a bulha e a pressa, e não se recuse a paz do silêncio.

Sem sacrificar os seus princípios, seja cordial com todos. Mostre sereno e calmo a sua verdade. E escute a dos outros, mesmo a dos pobres de espírito, eles também têm o que dizer.

Evite os barulhentos e os agressivos, eles constrangem o espírito. Comparando-se com os outros, evite a vaidade e a mágoa, pois sempre haverá gente abaixo e acima de você.

Goze as suas vitórias como os seus projetos. Não despreze a sua carreira. Por mais humilde que seja, ela será um bem, nas incertezas do amanhã. Proceda com cautela nos contratos de comércio, pois o mundo está cheio de raposas. Mas que a cautela não o cegue para a virtude. Existe idealismo também, e não falta heroísmo no mundo.

Seja fiel a si mesmo. Acima de tudo, nunca finja afeição. Jamais seja cínico em amor, pois mesmo com o risco de aridez e desencanto, ele é perene como a grama.

Aceite de bom grado as ponderações da idade, não se apegue aos bens da juventude. Exercite a fortaleza de ânimo para se garantir nos desastres súbitos. Mas não se deixe transportar pela imaginação. Muitos receios nascem do cansaço e da solidão.

Adote uma disciplina saudável, mas não se esgote por ela. Você é filho do Universo, como as árvores e as estrelas, e tem o direito de estar aqui! E quer você queira quer não, o universo se expande como deve.

Esteja pois em paz com Deus, com o seu Deus, e sejam quais forem as suas lutas e os seus ideais, viva em paz com a sua alma, mesmo no fragor das batalhas.

Malgrado as imposturas, as durezas e as decepções, o mundo ainda é belo. Tenha cuidado. Procure ser feliz.

Max Ehrmann
DESIDERATA - Do Latim Desideratu: Aquilo que se deseja, aspiração.
Este texto foi encontrado na velha Igreja de Saint Paul, Baltimore, datado de 1692.
Foi citado no livro "Mensagens do Sanctum Celestial", do Fr. Raymond Bernard.
O texto é de Max Ehrmannn e foi registrado pela primeira vez em 1927.
Hoje em dia pertence à © Robert L. Bell.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

MÃE IANSÃ...GUERREIRA!!!EPARREY!!(CANÇÃO)

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

SENHORA DOS VENTOS!!!ELA VEIO ACALMAR A TORMENTA...QUEM MANDOU...FOI MEU PAI OXALÁ!!(PONTO CANTADO)

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

SENHORA DA TEMPESTADE!!OIA EU OYÁ!!(PONTO CANTADO!)

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

ERAM DUAS VENTAROLAS...(PONTO CANTADO!)

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

MÃE IANSÃ..DONA DESTE CONGÁ!!PONTO CANTADO!!.

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

PRECE À MÃE IANSA/PONTO CANTADO!

     Get this widget |     Track details  |         eSnips Social DNA   

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

HISTÓRIA DA UMBANDA CONTADA NA VOZ DO PRÓPRIO SR.ZELIO DE MORAES/E SR CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS/SARAVÁ UMBANDA!



HISTÓRIA DA UMBANDA CONTADA NA VOZ DO PRÓPRIO SR.ZELIO DE MORAES/E  SR CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS/SARAVÁ UMBANDA!

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

AZEITE SAGRADO DE OLIVA/Texto e Ensinamentos de ''Mãe Mônica Caraccio''

Quem utiliza azeite de oliva?

Poucos são os Terreiros de Umbanda que têm conhecimento e fazem uso do azeite de oliva consagrado em suas giras assistenciais ou mesmo para a própria corrente mediúnica. Menor ainda é o número de médiuns e até de dirigentes que entendem o que este azeite representa e porquê ele é utilizado. Pensando nisso resolvi falar um pouquinho para vocês hoje sobre a representação do azeite de oliva e sobre sua utilização na Umbanda. Vamos lá ?
Várias lendas narram o nascimento da oliveira. Uma diz ser ela o resultado de uma disputa entre Poseidon (Deus do Mar) e Atena (Deusa da Sabedoria) por um pedaço de terra . Nessa disputa Poseidon fez nascer o mar quando usou a força de seu tridente numa rocha. Atena, por sua vez, fez brotar a oliveira da terra e, por isso mesmo, foi a vencedora da contenda, segundo Zeus, assim ganhando a posse da terra. Daí em diante os frutos dessa árvore serviriam de alimento e deles seria extraído um óleo sagrado que alimentaria e fortificaria o homem aliviando  suas dores e  suas feridas. Outra lenda, contada pelos hebreus, narra que a oliveira nasceu no vale de Hebron quando Adão fez 930 anos e, pressentindo a sua morte, lembrou que o Senhor lhe havia prometido o “óleo da misericórdia”. Então um querubim enviou-lhe a semente de oliveira que germinou em sua boca após a sua morte.
A Bíblia tem muitas referências aos usos religiosos da oliveira e do óleo de oliva. A pomba que foi enviada por Noé e retornou com um ramo de oliveira indicando a proximidade de terra, no Livro do Gênesis, se transformou no símbolo da paz. O maior significado religioso do óleo de oliva está documentado no Livro do Êxodo, no qual o Senhor diz a Moisés como fazer uma unção com óleo de oliva e durante a consagração este óleo é derramado nas mãos de reis e de sacerdotes católicos. Jesus, quando de Sua passagem em nosso mundo, falava que o bom samaritano recebeu óleo em suas feridas. A Unção dos enfermos utiliza o óleo sagrado, como sinal de Cristo, que alivia a dor e restitui a vida. Cristo foi ungido com o óleo sagrado por Maria Madalena depois de sua morte. Na antiguidade, o óleo estava associado à força de Deus e era utilizado para curar os doentes.
Na Umbanda o azeite de oliva é uma fonte de extremo poder pois é a somatória de forças regentes da Natureza. A raiz  da oliveira chega a 6 metros de profundidade com grande possibilidade de conter água, nasce sob qualquer condição e em qualquer lugar: vales, montanhas, entre pedras. Mesmo estando velha ou doente nunca deixam de nascer novos ramos, estando cortada ou queimada ainda assim novos ramos emergirão da raiz e demora aproximadamente 15 anos para fornecer a  primeira colheita.
Por tudo isso podemos dizer que a oliveira tem características muitos próximas às do ser humano e que, simbolicamente, Deus compara a oliveira a nós. É símbolo de excelência, de força, pureza, simplicidade e benção Divina.
Nos sacramentos da Umbanda, como batismo, confirmação e extrema-unção, o azeite de oliva  é muito importante pois, além dessa maravilhosa simbologia, ele tem a função de purificar o corpo astral, equilibrar os chacras e alinhar o nosso eixo magnético, equilibrando o fluxo energético e melhorando a percepção espiritual, o que facilita a comunicação com o plano astral.
Sendo assim, é altamente aconselhável utilizar o azeite, principalmente quando consagrado ou cruzado por um Guia Espiritual, antes de um desenvolvimento mediúnico ou de uma gira. Também é muito indicado no caso de dores no corpo, dores de cabeça e pancadas, principalmente aquelas que aparecem em nosso corpo misteriosamente. Sua utilização se potencializa com o acréscimo de outros elementos como pedras, minerais, vegetais, raízes, energia solar, lunar etc, uma vez que, com esses elementos adicionados, o azeite tem seu poder de ação ampliado.
O azeite também pode ser usado nos ambientes como, por exemplo, em batentes de portas e janelas, embaixo da cama, na soleira da entrada da casa, na mesa do escritório etc. A forma apropriada de usar o azeite nesses pontos é fazendo o sinal da cruz criando campos de força que geram uma tela de proteção capaz de absorver e diluir todo e qualquer negativismo que passar por ela, além de fechar buracos energéticos e portais magísticos negativos.
Como viram, o azeite de oliva é bastante importante e uma maravilhosa ferramenta de trabalho para os Guias Espirituais. Não deixem de utilizar este poderoso elemento apenas por falta de conhecimento. Busquem, procurem, estudem e façam a diferença pela Umbanda, com fundamento, é claro!
Muito Axé a todos e um ótimo final de semana.
Escrito por Mãe Mônica Caraccio \\ tags: ,
PESQUISA NO SITE 
http://www.minhaumbanda.com.br/2010/07/15/quem-utiliza-azeite-consagrado/

TEXTO NARRADO NO VÍDEO ''O GLADIADOR''

Sucesso, Reconhecimento, Fama, Gloria, muitos de nos lutamos por motivos assim, mas não se constrói um bom nome da noite para o dia, é preciso trabalhar muito ainda que haja tropeços e quedas, é preciso superar os obstáculos é preciso ter motivação. Perseverar insistir.
A vida é uma sucessão de batalhas, emprego, família, amigos todos nós temos um status atual, O QUE FAZEMOS NA VIDA, ECOA NA ETERNIDADE e temos também expectativas com relação ao futuro,...
EM 3 SEMANAS ESTAREI FAZENDO MINHA COLHEITA, E IMAGINAM ONDE ESTARÃO, ...
no entanto as reviravoltas do destino, nos surpreendem, GRANDEZA É UMA VISÃO,...
nem sempre da para se fazer só o que gostamos mas aquele que gosta do que faz e que sente orgulho em fazer o melhor a cada dia vai mais longe, a momentos de calmaria e a momentos agitados, decisivos e que apenas a boa intenção não basta, é quando a vida nos cobra, coragem, arrojo, criatividade e um inabalável espírito de luta, a verdade é que os problemas e os reveses ocorrem com maior freqüência do que gostaríamos, os tempos mudam, surgem novos desafios e novos objetivos, os guerreiros olham nos olhos do futuro sem medo, sem arrogância, mas com a confiança de quem esta pronto para o combate, viver é também estar preparado para situações difíceis, o modo como encaramos as dificuldades é que faz a diferença, as vezes nos perguntamos, como enfrentar as mudanças radicais que se apresentam diante de nós, como atuar num novo cenário onde coisas que fazíamos tão bem precisam ser reaprendidas, ...
FORÇA E HONRA, ...
como lutar sem deixar para trás valores fundamentais, e mais como saber a medida exata a ser tomada no momento certo, o mais incrível é que justamente diante de situações adversas, muitos redescobrem o que tem de melhor, a ética, a amizade, a capacidade de criar novas estratégias, fundamentadas na experiência, o talento para promover alianças positivas, o espírito de liderança, a consciência da força que reside no verdadeiro trabalho em equipe, tudo isso aflora quando as circunstâncias exigem, quando se sabe que existe um objetivo maior a ser alcançado, claro que não é fácil abandonar hábitos, costumes, não é fácil adaptar-se aos novos momentos ou usar recursos aos quais não estávamos familiarizados, mas todo guerreiro sabe que pessimismo e insegurança, nessa hora só atrapalham, ainda que a ameaça vem de vários lados com agilidade, força, determinação, podemos alcançar o resultado, a combinação de energia e inteligência, assim como o equilíbrio entre a razão e emoção, são fundamentais para o sucesso, é uma sensação extremamente agradável, chegar ao fim de uma etapa com a consciência do dever cumprido, e obter a consagração, o respeito de todos, o reconhecimento dos colegas, a admiração das pessoas que amamos, ouvir o próprio nome com orgulho, aquele orgulho de quem viu nos obstáculos a oportunidade de crescer, o orgulho de quem soube enfrentar as turbulências da vida e vencer, o orgulho de ser um vencedor que não abriu mão de seus valores fundamentais e de se superar a cada novo dia.''

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A NECESSIDADE DE APROVAÇÃO E RECONHECIMENTO

Querido Osho,
     Por que sinto necessidade de obter aprovação e de ser reconhecido, especialmente em meu trabalho? Isso me coloca numa armadilha – eu não consigo fazer as coisas sem isso. Eu sei que estou nessa armadilha, mas eu fui pego nela e não vejo como sair.

      Você poderia me ajudar a encontrar a porta?

      “A questão é do Kendra.

      É preciso lembrar que a necessidade de obter aprovação e de ser reconhecido é uma questão que diz respeito a todo mundo. A estrutura de toda a nossa vida é essa que nos foi ensinada: a menos que exista um reconhecimento, nós somos ninguém, nós não temos valor. O trabalho não é o importante, mas sim o reconhecimento. E isso coloca as coisas de cabeça para baixo. O trabalho deveria ser o importante – uma alegria em si mesmo. Você deveria trabalhar, não para ser reconhecido, mas porque você curte ser criativo, você ama o trabalho em si mesmo.

      Existiram poucas pessoas como Vincent Van Gogh, capazes de escapar da armadilha que a sociedade lhes impingiu. Ele continuou pintando – com fome, sem casa, sem agasalhos, sem remédios, doente – mas ele continuou pintando. Nem uma pintura sequer estava sendo vendida, não havia reconhecimento de parte alguma, mas o estranho era que em tais condições ele ainda era feliz – feliz porque era capaz de pintar o que queria pintar. Reconhecido ou não, o seu trabalho era intrinsecamente valioso.

      Aos trinta e três anos ele cometeu suicídio – não por causa de alguma miséria ou angústia, mas simplesmente porque ele havia pintado o seu último quadro, um pôr-do-sol, no qual havia trabalhado por quase um ano. Ele tentou dezenas de vezes e destruiu, porque não havia atingido aquele seu padrão. Finalmente ele conseguiu pintar o pôr-do-sol da maneira como desejava.

      Ele cometeu suicídio escrevendo uma carta para seu irmão, ‘Eu não estou cometendo suicídio por desespero. Eu estou cometendo suicídio por não mais existir qualquer motivo para continuar vivendo – o meu trabalho está concluído. Além disso, tem sido difícil encontrar alternativas para meu sustento. Até aqui as coisas estavam indo bem, porque eu tinha algum trabalho para fazer, algum potencial dentro de mim precisava se exteriorizar, tinha que florescer. De modo que agora, não há sentido em viver como um mendigo. Eu ainda não tinha pensado e nem mesmo tinha olhado para isso, mas agora essa é a única coisa a ser feita. Eu floresci até o meu limite máximo, eu estou realizado, e agora parece ser apenas uma estupidez ficar me arrastando, procurando alternativas de sustento. Por que razão? Para mim isso não é um suicídio; eu apenas cheguei a uma realização, a um ponto final e alegremente estou deixando o mundo. Alegremente eu vivi e alegremente estou deixando o mundo.’

      Agora, após quase um século, cada uma de suas pinturas vale milhões de dólares. Existem apenas duzentas pinturas disponíveis. Ele deve ter pintado milhares, mas elas foram destruídas; e ninguém prestou atenção nelas.

      Agora, ter um quadro de Van Gogh significa que você tem um senso estético. O quadro dele traz um reconhecimento para você. O mundo não deu qualquer reconhecimento ao trabalho dele, mas ele nunca se preocupou com isso. E esta deve ser a maneira de ver as coisas: você deve trabalhar se amar aquele trabalho.

      Não peça reconhecimento. Se ele vier, aceite-o tranqüilamente; se ele não vier não pense a respeito. A sua realização deve estar no próprio trabalho. E se todos aprendessem esta simples arte de amar o seu trabalho, seja qual ele for, curtindo-o sem pedir por qualquer reconhecimento, nós teríamos um mundo mais belo e mais celebrante. Do jeito que o mundo é, vocês têm estado presos num padrão miserável. O que você faz é bom, não porque você ama fazê-lo, não porque você o faz perfeitamente, mas porque o mundo o reconhece, lhe dá uma premiação, lhe dá medalhas de ouro, prêmios Nobel.

      Eles têm tirado todo o valor intrínseco da criatividade e destruído milhões de pessoas – pois você não pode dar prêmios Nobel a milhões de pessoas. E têm criado o desejo por reconhecimento em todo mundo, de modo que ninguém consegue trabalhar em paz, curtindo qualquer coisa que esteja fazendo. E a vida consiste em pequenas coisas. Para as pequenas coisas não existem premiações, nenhum título concedido pelos governos, nenhuma graduação honorária dada pelas universidades.

      Um dos grandes poetas do século XX, Rabindranath Tagore, viveu em Bengala, Índia. Ele publicou suas poesias e seus romances em bengali – mas não recebeu qualquer reconhecimento. Então ele traduziu um pequeno livro, GITANJALI, Oferta de Canções, para o inglês. E ele estava consciente de que o original tinha uma beleza que a tradução não tinha e não conseguiria ter – porque essas duas línguas, o bengali e o inglês têm estruturas diferentes, maneiras diferentes de expressar.

      O bengali é muito doce. Mesmo se estiver brigando, vai parecer que você está envolvido numa conversação agradável. É uma linguagem muito musical, cada palavra é musical. Essa qualidade não existe no inglês, não pode ser trazida para ele. O inglês tem qualidades diferentes. Mas de alguma maneira ele conseguiu traduzir e a tradução – que é pobre comparada com o original – recebeu o prêmio Nobel. Então, de repente, toda a Índia ficou sabendo. O livro esteve disponível em bengali e em outros idiomas indianos por anos, e ninguém prestava atenção nele.

      Todas as universidades quiseram lhe dar um título de Doutor. Calcutá, onde ele vivia, foi a primeira universidade a lhe conceder o título de Doctor of Letters. Ele recusou, dizendo, ‘Vocês não estão dando uma graduação a mim nem estão reconhecendo o meu trabalho, vocês estão dando reconhecimento ao prêmio Nobel, porque o livro esteve aqui de uma forma muito mais bela e ninguém se preocupou em escrever ao menos uma crítica’. Ele recusou-se a receber qualquer doutorado honorário. Ele dizia, ‘Isso é um insulto para mim’.

      Jean-Paul Sartre, um dos grandes romancistas e homem de tremendo insight sobre a psicologia humana, recusou o prêmio Nobel. Ele disse, ‘Eu recebi recompensa suficiente enquanto estava criando o meu trabalho. Um prêmio Nobel não consegue acrescentar coisa alguma a isso – ao contrário, ele me joga para baixo. Ele é bom para amadores que estão em busca de reconhecimento, eu já sou bastante velho, eu já desfrutei o suficiente. Eu amei tudo o que fiz. Essa foi a minha própria recompensa, eu não quero qualquer outra recompensa, porque nada pode ser melhor do que aquilo que eu já recebi.’ E ele estava certo. Mas as pessoas certas são poucas no mundo. O mundo está cheio de pessoas vivendo dentro das armadilhas.

      Por que você deve se preocupar com reconhecimento? Preocupação com reconhecimento somente faz sentido se você não ama o seu trabalho, nesse caso ele não tem significado, então o reconhecimento parece ser um substituto. Você detesta o trabalho, não gosta dele, mas você o faz porque será reconhecido, será apreciado e aceito. Ao invés de pensar no reconhecimento, reconsidere o seu trabalho. Você gosta dele? – então ponto final. Se você não gosta, então, troque-o!

      Os pais e os professores estão sempre reforçando que você deve ser reconhecido, que deve ser aceito. Esta é uma estratégia muito esperta para manter as pessoas sob controle.

      Quando eu cursava a universidade, me disseram repetidas vezes, ‘Você deve parar de fazer essas coisas… Você continua formulando perguntas que sabe perfeitamente bem que não podem ser respondidas e que colocam o professor numa situação embaraçosa. Você tem que parar com isso, caso contrário essas pessoas irão se vingar. Elas têm o poder e poderão reprová-lo.’
Eu dizia, ‘Não me preocupo com isso. Neste momento eu estou curtindo formular perguntas e fazê-los sentirem-se ignorantes. Eles não são corajosos o bastante para simplesmente dizer, ‘Eu não sei.’ Desse modo, não haveria qualquer embaraço. Mas eles querem fingir que sabem tudo. Eu estou curtindo isso; a minha inteligência está sendo aguçada. Quem se preocupa com exames? Eles poderão me reprovar apenas quando eu aparecer nos exames – e quem vai aparecer? Se eles estiverem com essa idéia de que podem me reprovar, eu não entrarei nos exames, e repetirei a mesma série. Eles terão que me aprovar pelo simples medo de ter que me encarar por mais um ano novamente.’

      Todos eles me aprovaram e me ajudaram a passar porque queriam ficar livres de mim. Aos olhos deles, eu estava destruindo os outros estudantes, porque eles começaram a questionar coisas que, por séculos, eram aceitas sem questionamentos.

      Quando eu estava ensinando na universidade, a mesma coisa aconteceu, sob um ângulo diferente. Agora eu estava formulando perguntas aos estudantes para trazer a atenção deles ao fato de que todo o conhecimento que eles tinham acumulado era emprestado e que eles nada sabiam. Eu lhes dizia que não me importava com a graduação deles, eu me importava com a experiência autêntica deles – e eles não tinham nenhuma. Eles estavam simplesmente repetindo os livros, que estavam desatualizados, que já tinha sido provado que estavam errados há muito tempo. Agora as autoridades da universidade estavam ameaçando-me, ‘Se você continuar por esse caminho, atormentando os alunos, você será colocado para fora da universidade.’

      Eu disse, ‘Isso é estranho – eu era um estudante e não podia formular perguntas aos professores; agora eu sou um professor e não posso formular perguntas aos estudantes! Então, qual função esta universidade está preenchendo? Este deve ser um lugar onde as perguntas são formuladas, onde os questionamentos começam. As respostas devem ser encontradas na vida e na existência, não nos livros.

      Eu disse, ‘Vocês podem me colocar para fora da universidade, mas lembrem-se, estes mesmos estudantes, em nome de quem vocês estão me colocando para fora, irão reduzir a cinzas toda a universidade. Eu disse ao vice-reitor, ‘Você deve vir e ver a minha sala’.

      Ele não conseguiu acreditar – na minha sala havia pelo menos duzentos estudantes… E não havia espaço, de modo que eles sentavam em qualquer lugar que encontrassem – nas janelas, no chão. Ele disse, ‘O que está acontecendo, pois tem apenas dez alunos matriculados na sua matéria?’

      Eu disse, ‘Essas pessoas vêm para ouvir. Elas abandonam as suas aulas e adoram estar aqui. Esta aula é um diálogo. Eu não sou superior a eles e eu não posso recusar ninguém que queira vir à minha aula. Se ele é meu aluno ou não, não importa, se ele vem me ouvir, então é meu aluno. Na verdade, você deveria me permitir utilizar o auditório. Estas salas de aula são muito pequenas para mim.’

     Ele disse, “Auditório? Você quer dizer, toda a universidade reunida no auditório? O que, então, os outros professores estarão fazendo?’

      Eu disse, ‘Isso é bom para eles pensarem a respeito. Eles deveriam ir embora e se enforcar! Eles deveriam ter feito isso há muito tempo. Ao ver que seus alunos não estavam indo assistir suas aulas, isso já era uma indicação suficiente.’

      Os professores ficaram com raiva e as autoridades também. Finalmente eles tiveram que me ceder o auditório, mas com muita relutância, porque os alunos ficaram pressionando. Mas eles disseram, ‘Isto é estranho, alunos que nada têm a ver com filosofia, religião ou psicologia, por que eles devem estar indo lá?’

      Muitos alunos disseram ao vice-reitor, ‘Nós gostamos disso. Não sabíamos que filosofia, religião e psicologia poderiam ser tão interessantes, tão intrigantes, senão já teríamos nos inscrito nelas. Nós pensávamos que essas matérias eram secas e que somente um tipo de pessoas muito ligado a livros se inscreveria nelas. Nós nunca tínhamos visto pessoas com muita energia se inscrevendo nessas matérias. Mas esse homem fez com que essas matérias ficassem tão significantes que parece que mesmo se formos reprovados em nossas próprias matérias, isso não vai importar. O que nós estamos fazendo está tão correto e está tão claro para nós, que nem pensamos em mudar isso.’

      Contra o reconhecimento, contra a aceitação, contra as graduações… Mas, finalmente eu tive que deixar a universidade, não por causa de suas ameaças, mas porque eu reconheci que aquilo era um desperdício, pois milhares de estudantes poderiam ser ajudados por mim. Eu poderia ajudar milhões de pessoas do lado de fora, no mundo. Por que eu deveria permanecer apegado a uma pequena universidade? O mundo inteiro poderia ser a minha universidade.

      E você pode ver. Eu fui condenado.

      Esse foi o único reconhecimento que eu recebi.

      Eu fui descrito de maneira totalmente incorreta. Tudo o que pode ser dito contra uma pessoa, foi dito contra mim; tudo o que pode ser feito contra um homem foi feito contra mim. Você acha que isso é reconhecimento? Mas eu amo o meu trabalho. Eu o amo tanto que nem mesmo o chamo de trabalho; eu simplesmente o chamo de minha alegria.

      E todas as pessoas mais velhas, bem reconhecidas, me diziam, ‘O que você está fazendo não irá lhe trazer qualquer respeitabilidade no mundo.’

      Mas eu dizia, ‘Eu nunca pedi por isso e não vejo o que poderei fazer com a respeitabilidade. Eu não posso comê-la nem bebê-la.’

      Aprenda uma coisa básica. Faça o que você quer fazer, o que ama fazer, e nunca peça por reconhecimento. Isso é mendicância. Por que alguém deve pedir por reconhecimento? Por que alguém deve ansiar por aceitação?

      Olhe no fundo de si mesmo. Talvez você não goste do que está fazendo, talvez você tenha medo de encarar que está no caminho errado. A aceitação irá ajudá-lo a achar que está certo. O reconhecimento irá fazê-lo achar que está indo para o objetivo correto.

      A questão diz respeito aos seus próprios sentimentos internos, ela nada tem a ver com o mundo externo. Por que depender dos outros? Todas essas coisas dependem dos outros – você está se tornando dependente.

      Eu não aceitarei qualquer prêmio Nobel. Toda essa condenação de todas as nações ao redor do mundo, de todas as religiões, é mais valiosa para mim. Aceitar o prêmio Nobel significa que eu estou me tornando dependente – agora eu não estarei mais satisfeito comigo mesmo, mas sim com o prêmio Nobel. Neste exato momento eu só posso estar satisfeito comigo mesmo, nada mais existe com que eu possa me satisfazer.

      Dessa maneira você se torna um indivíduo. Para ser um indivíduo, viva em total liberdade, apoiado em seus próprios pés, beba a sua própria fonte. Isso é o que torna um homem verdadeiramente centrado, enraizado. Este é o início do seu florescimento supremo.

      Essas pessoas tidas como reconhecidas, honradas, estão cheias de lixo e de nada mais. Mas elas estão cheias do lixo que a sociedade quer que elas estejam repletas – e a sociedade as compensa lhes dando premiações.

      Qualquer homem, que tem algum senso de sua individualidade, vive pelo seu próprio amor, pelo seu próprio trabalho, sem se preocupar com o que os outros pensam a respeito. Quanto mais valioso for o seu trabalho, menor será a chance de obter alguma respeitabilidade para com ele. E se o seu trabalho for o trabalho de um gênio, então você não verá nenhum respeito enquanto viver. Você será condenado enquanto viver… Depois de dois ou três séculos, erguerão estátuas para você, os seus livros serão respeitados – porque demora quase dois ou três séculos para a humanidade compreender o tamanho da inteligência que um gênio tem hoje. O espaço de tempo é grande.

     Sendo respeitado por idiotas, você terá que se comportar de acordo com suas maneiras e expectativas. Para ser respeitado por essa humanidade doente, você terá que ser mais doente que ela. Então eles irão respeitá-lo. Mas, o que você irá ganhar? Você perderá a sua alma e nada ganhará.“




Autor: Osho


--

sábado, 12 de fevereiro de 2011

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 09 E FINAL) IM-PER-DÍ-VEL!!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 08) IM-PER-DÍ-VEL!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 07) IM-PER-DÍ-VEL!

FILME LA BELLE E VERTE (PARTE 06) IM-PER-DÍ-VEL!!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 05) IM-PER-DÍ-VEL!!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 04) IM-PER-DÍ-VEL!!!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 3) IM-PERDÍ-VEL!!

FILME LA BELLE VERTE (PARTE 2) IM-PER-DÍ-VEL!!

FILME LA BELLE VERTE(VEJA EM PARTE PELO YOUTUBE)ESTA É A PARTE 1/INÍCIO/IM-PER-DÍ-VEL!!!(depois comentem...Ronita)

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE.....


Uma das melhores explicação que já vi...
A religião alimenta a mente; a espiritualidade, a alma!!
As Diferenças entre Religião e Espiritualidade

A religião não é apenas uma, são centenas.
A espiritualidade é apenas uma.A religião é para os que dormem.
A espiritualidade é para os que estão despertos.
A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer e querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua Voz Interior.A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.
A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz Interior.A religião fala de pecado e de culpa.
A espiritualidade lhe diz: "aprenda com o erro".
A religião reprime tudo, te faz falso.
A espiritualidade transcende tudo, te faz verdadeiro!A religião não é Deus.
A espiritualidade é Tudo e, portanto é Deus.
A religião inventa.
A espiritualidade descobre.A religião não indaga nem questiona.
A espiritualidade questiona tudo.
A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade é Divina, sem regras.A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.
A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade você tem que buscá-la.A religião segue os preceitos de um livro sagrado.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.
A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.A religião faz viver no pensamento.
A espiritualidade faz Viver na Consciência.
A religião se ocupa com fazer.
A espiritualidade se ocupa com Ser.A religião alimenta o ego.
A espiritualide nos faz Transcender.
A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.
A religião sonha com a glória e com o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.
A religião enclausura nossa memória.
A espiritualidade liberta nossa Consciência.A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.
A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida.
(AUTOR DESCONHECIDO)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

DAILYNOTION/DIRE STRAISTS


Dire Straits - Brothers In Arms Original
Enviado por chaddi. - Veja os últimos vídeos de música em destaque.
TRADUÇÃO:

Companheiros de Batalha

Estas montanhas cobertas de névoa
são um lar para mim agora
Mas meu lar são as planícies
E sempre serão
Algum dia vocês voltarão para
seus vales e suas fazendas
e não mais arder o desejo
de ser um companheiro de batalha

Por estes campos de destruição
Batismos de fogo
Assisti a todo o seu sofrimento
enquanto a batalha se acirrava
e apesar de terem me ferido gravemente
em meio ao medo e ao pânico
vocês não me desertaram
meus companheiros de batalha

Há tantos mundos diferentes
Tantos sóis diferentes
e nós temos apenas um
mas vivemos em mundos distintos

Agora o sol foi para o inferno
e a lua está alta
deixe-me dizer adeus
todo homem tem de morrer
mas está escrito nas estrelas
e em todas as linhas de sua mão
somos tolos de guerrear
contra nossos companheiros de batalha

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

ALMA GÊMEA/Lindo poema feito por Públio Lentulus à sua amada Lívia na Obra de Emmanuel psicografada por Chico Xavier, intitulada: Há dois mil anos


Lindo poema feito por Públio Lentulus à sua amada Lívia na Obra de Emmanuel psicografada por Chico Xavier, intitulada: Há dois mil anos.
 Letra:


Alma gêmea, de minh,alma

Flor de luz, da minha vida
Sublime estrela caída
Das belezas da amplidão.

Quando eu errava no mundo

Triste e só no meu caminho
Chegastes devagarinho
E me encheste o coração

Vinhas nas bençãos dos deuses

Na divina claridade
Tecer-me a felicidade
Em sorrisos de esplendor.

És meu tesouro infinito

Juro-te eterna aliança
Porque sou, tua esperança
Como és todo o meu amor.

Alma gêmea de minh'alma

Se eu te perder algum dia
Serei a escura agonia
Da saudade nos teus véus.

Se um dia me abandonares

Luz terna dos meus amores
Hei de esperar-te entre as flores
Na claridade dos céus.
(também tenho minha alma gêmea chamada Lívia,minha neta mais velha,hoje com 8 anos...Ronita)

ALMA GÊMEA/Lindo poema feito por Públio Lentulus à sua amada Lívia na Obra de Emmanuel psicografada por Chico Xavier, intitulada: Há dois mil anos. Interpretação: Roberto Moreira



Lindo poema feito por Públio Lentulus à sua amada Lívia na Obra de Emmanuel psicografada por Chico Xavier, intitulada: Há dois mil anos.
Interpretação: Roberto Moreira

Letra:

Alma gêmea, de minh,alma
Flor de luz, da minha vida
Sublime estrela caída
Das belezas da amplidão.

Quando eu errava no mundo
Triste e só no meu caminho
Chegastes devagarinho
E me encheste o coração

Vinhas nas bençãos dos deuses
Na divina claridade
Tecer-me a felicidade
Em sorrisos de esplendor.

És meu tesouro infinito
Juro-te eterna aliança
Porque sou, tua esperança
Como és todo o meu amor.

Alma gêmea de minh'alma
Se eu te perder algum dia
Serei a escura agonia
Da saudade nos teus véus.

Se um dia me abandonares
Luz terna dos meus amores
Hei de esperar-te entre as flores
Na claridade dos céus.
(também tenho minha alma gêmea chamada Lívia,minha neta mais velha,hoje com 8 anos...Ronita)

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

LIVRO ''SEARA DOS MÉDIUNS''/POR EMMANUEL/CHICO XAVIER



SINOPSE:

Neste livro, o autor espiritual reúne o produto de 90 sessões públicas realizadas em 1960, na Comunhão Espírita Cristã de Uberaba, nas quais se estudou a substância religiosa da obra 'O livro dos médiuns', de Allan Kardec. A importância do conteúdo se revela no caráter interativo do trabalho - questões colocadas pelos companheiros encarnados, em sessões abertas ao público, e comentadas pelo Espírito Emanuel -, trabalho de intercâmbio intermundos com a participação de todos os presentes. 



Related Posts with Thumbnails