O CABOCLO DAQUI...

Observação:
Este Blog/ Força das Matas pertence à Ronita Eliane.
Todos os demais sites mencionados,são indicações deste blog/aos seguidores e visitantes.





JESUS,O GOVERNADOR DO MUNDO!!!

JESUS,O GOVERNADOR DO MUNDO!!!

Marcadores

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

cantico de metta

O cântico de MettaAham avero homiQue eu possa me libertar da inimizade e do perigoabyapajjho homique eu possar me libertar do sofrimento mentalanigha homique eu possa me libertar do sofrimento físicosukhi - attanam pariharamique eu possa cuidar de mim mesmo com felicidadeMama matapituque meus paisajariya ja nyaridimitta japrofessores, parentes e amigossabrahma - jarino jaqueridos seguidores do Dharmaavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeImasumem arame sabbe yoginoque todos os meditadores deste feudoavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeImasumem arame sabbe bhikkhuque todos os monges deste feudosamanera jamonges iniciantesupasaka - upasikaya jadiscípulos homens e mulheresavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeAmhakam jatubajaya - dayadaque todos os doadores das quatro providências: vestimenta, comida, remédios e abrigoavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeAmhakam arakkha devataque nossos deuses guardiõesImasumem vihareneste monastérioImasumem avasenesta casaImasumem arameneste feudoarakkha devataque os deuses guardiõesavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeSabbe sattaque todos os seressabbe panatodas as coisas que respiramsabbe bhuttatodas as criaturassabbe puggalatodos os indivíduossabbe attabhava - pariyapannatodos os seres com mente e corposabbe itthoyoque todas as mulheressabbe purisaque todos os homenssabbe ariyaque todos os santossabbe anariyaque todos aqueles que almejam a santidadesabbe devaque todos os deusessabbe manussaque todos os humanossabbe vinipatikaque todos aqueles nos quatro reinos miseráveisavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeDukkha mujjantuque todos os seres possam se libertar do sofrimentoYattha-laddha-sampattito mavigajjhantuque o que quer que eles tenham ganhado não seja perdidoKammassakatodos os seres são donos de seu próprio karmaPurathimaya disayana direção lestepajjhimaya disayana direção oesteuttara disayana direção nortedekkhinaya disayana direção sulpurathimaya anudisayana direção sudestepajjhimaya anudisayana direção noroesteuttaraya anudisayana direção nordestedekkhinaya anudisayana direção sudoestehetthimaya disayana direção para baixouparimaya disayana direção para cimaSabbe sattaque todos os seressabbe panatodas as coisas que respiramsabbe bhuttatodas as criaturassabbe puggalatodos os indivíduossabbe attabhava - pariyapannatodas os seres com mente e corposabbe itthoyoque todas as mulheressabbe purisaque todos os homenssabbe ariyaque todos os santossabbe anariyaque todos aqueles que almejam a santidadesabbe devaque todos os deusessabbe manussaque todos os humanossabbe vinipatikaque todos aqueles nos quatro reinos miseráveisavera hontusejam libertados da inimizade e do perigoabyapajjha hontusejam libertados do sofrimento mentalanigha hontusejam libertados do sofrimento físicosukhi - attanam pariharantuque eles possam tomar conta de si mesmos com felicidadeDukkha mujjantuque todos os seres possam se libertar do sofrimentoYattha-laddha-sampattito mavigajjhantuque o que quer que tenham ganho, não seja perdidoKammassakatodos os seres são donos de seu próprio karmaUddham yava bhavagga jadesde o mais alto plano de existênciaadho yava avijjitoaté o plano mais baixosamanta jakkavalesuem todo o universoye satta pathavijaraquaisquer seres que se movam pela terraabyapajjha nivera jasejam libertados do sofrimento físico e da inimizadenidukkha ja nupaddavae do sofrimento físico e do perigoUddham yava bhavagga jadesde o mais alto plano de existênciaadho yava avijjitoaté o plano mais baixosamanta jakkavalesuem todo o universoye satta udakejaraquaisquer seres que se movam pela águaabyapajjha nivera jaque eles possam se libertar do sofrimento mental e da inimizadenidukkha ja nupaddavae do sofrimento físico e do perigoUddham yava bhavagga jadesde o mais alto plano de existênciaadho yava avijjitoaté o plano mais baixosamanta jakkavalesuem todo o universoye satta akasejaraquaisquer seres que se movam pelo arabyapajjha nivera jaque eles possam ser libertados do sofrimento mental e da inimizadenidukkha ja nupaddavae do sofrimento físico e do perigo.

video
http://www.mp3tube.net/br/musics/Imee-Ooi-Cantico-de-Meeta/230425/

O QUE DESEJO A VOCES


Victor Hugo
Desejo primeiro que você ame, E que amando, também seja amado. E que se não for, seja breve em esquecer. E que esquecendo, não guarde mágoa. Desejo, pois, que não seja assim, Mas se for, saiba ser sem desesperar. Desejo também que tenha amigos, Que mesmo maus e inconseqüentes, Sejam corajosos e fiéis, E que pelo menos num deles Você possa confiar sem duvidar. E porque a vida é assim, Desejo ainda que você tenha inimigos. Nem muitos, nem poucos, Mas na medida exata para que, algumas vezes, Você se interpele a respeito De suas próprias certezas. E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo, Para que você não se sinta demasiado seguro. Desejo depois que você seja útil, Mas não insubstituível. E que nos maus momentos, Quando não restar mais nada, Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé. Desejo ainda que você seja tolerante, Não com os que erram pouco, porque isso é fácil, Mas com os que erram muito e irremediavelmente, E que fazendo bom uso dessa tolerância, Você sirva de exemplo aos outros. Desejo que você, sendo jovem, Não amadureça depressa demais, E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer E que sendo velho, não se dedique ao desespero. Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e É preciso deixar que eles escorram por entre nós. Desejo por sinal que você seja triste, Não o ano todo, mas apenas um dia. Mas que nesse dia descubra Que o riso diário é bom, O riso habitual é insosso e o riso constante é insano. Desejo que você descubra , Com o máximo de urgência, Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos, Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta. Desejo ainda que você afague um gato, Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro Erguer triunfante o seu canto matinal Porque, assim, você sesentirá bem por nada. Desejo também que você plante uma semente, Por mais minúscula que seja, E acompanhe o seu crescimento, Para que você saiba de quantas Muitas vidas é feita uma árvore. Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, Porque é preciso ser prático. Eque pelo menos uma vez por ano Coloque um pouco dele Na sua frente e diga `Isso é meu`, Só para que fique bem claro quem é o dono dequem. Desejo também que nenhum de seus afetos morra, Por ele e por você, Mas que se morrer, você possa chorar Sem se lamentar esofrer sem se culpar. Desejo por fim que você sendo homem, Tenha uma boa mulher, E que sendo mulher, Tenha um bom homem Eque se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes, E quando estiverem exaustos e sorridentes, Ainda haja amor para recomeçar. E se tudo isso acontecer, Não tenho mais nada a te desejar

REVOLUÇÃO DA ALMA





Revolução da Alma
"Ninguém é dono da sua felicidade, por isso não entregue sua alegria, sua paz, sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém. Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja. A razão da sua vida é você mesmo. A sua paz interior é a sua meta de vida. Quando sentir um vazio na alma, quando acreditar que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remeta seu pensamento para os seus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você. Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque objetivos longe demais de suas mãos;abrace os que estão ao seu alcance hoje. Se você anda desesperado por problemas financeiros, amorosos ou de relacionamentos familiares, busque em seu interior a resposta para se acalmar. Você é reflexo do que pensa diariamente. Pare de pensar mal de você mesmo,e seja seu melhor amigo sempre. Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que lhe quer oferecer o melhor. Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo, que está "pronto" para ser feliz. Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda. Critique menos, trabalhe mais. E não se esqueça nunca de agradecer. Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento, inclusive a dor . Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida. Por fim, acredite que não estaremos sozinhos em nossas caminhadas, um instante sequer, se nossos passos forem dados em busca de justiça e igualdade!"
"A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las."
*************************************
Você sabe quem é o autor deste texto? E em que ano foi escrito? Imagina alguém? Dê um palpite? Desça e veja o autor.
"Se você disse Aristóteles, parabéns acertou! Aristóteles, filósofo grego, nasceu na Macedônia (384 a 322 A .C.) e estudou durante algum tempo sob a orientação do grande pensador e professor Platão. Este texto foi escrito em 360 A.C., ou seja aproximadamente 2.360 anos atrás! Nada mais atual! A busca da felicidade, nunca está no externo e em um lugar distânte! Ela está mais próxima que sua respiração, ela está dentro de você! A verdadeira felicidade só aparece para quêm faz por merecê-la! Abração!!! ronita

''O AMOR EXPLICADO DE FORMA SIMPLES...PELAS CRIANÇAS...''


O AMOR EXPLICADO DE UMA FORMA SIMPLES E PURA
Esta foi uma pesquisa séria feita por profissionais de educação e psicologia com um grupo de crianças de 4 a 8 anos sobre o que é o amor.
Respostas:
"AMOR É QUANDO ALGUÉM TE MAGOA, E VOCÊ, MESMO MUITO MAGOADO, NÃO GRITA, PORQUE SABE QUE ISSO FERE SEUS SENTIMENTOS". MATHEUS, 6 ANOS.
"QUANDO MINHA AVÓ PEGOU ARTRITE, ELA NÃO PODIA SE DEBRUÇAR PARA PINTAR AS UNHAS DOS DEDOS DO PÉ. MEU AVÔ, DESDE ENTÃO, "PINTA AS UNHA PARA ELA. MESMO QUANDO ELE TEM ARTRITE." REBECCA, 8 ANOS.
"AMOR É QUANDO UMA MENINA COLOCA PERFUME E O MENINO COLOCA LOÇÃO PÓS- BARBA, E ELES SAEM JUNTOS E SE CHEIRAM". KARL, 5 ANOS.
"EU SEI QUE MINHA IRMÃ MAIS VELHA ME AMA, PORQUE ELA ME DÁ TODAS AS SUAS ROUPAS VELHAS E TEM QUE SAIR PARA COMPRAR OUTRAS." LAUREN, 4 ANOS.
"AMOR É COMO UMA VELHINHA E UM VELHINHO QUE AINDA SÃO MUITO AMIGOS, MESMO CONHECENDO HÁ MUITO TEMPO." TOMMY, 6 ANOS.
"QUANDO ALGUÉM TE AMA, A FORMA DE FALAR SEU NOME É DIFERENTE". BILLY, 4 ANOS (liiiiinnndooo!).
"AMOR É QUANDO VOCÊ SAI PARA COMER E OFERECE SUAS BATATINHAS FRITAS, SEM ESPERAR QUE A OUTRA PESSOA TE OFERECA AS BATATINHAS DELA." CHRISSY, 6 ANOS.
"AMOR É O QUE ESTÁ COM A GENTE NO NATAL, QUANDO VOCÊ PÁRA DE ABRIR OS PRESENTES E O ESCUTA." BOBBY, 5 ANOS.
"SE VOCÊ QUER APRENDER A AMAR MELHOR, VOCÊ DEVE COMEÇAR COM UM AMIGO QUE VOCÊ NÃO GOSTA." NIKKA 6 ANOS.
"QUANDO VOCÊ FALA PARA ALGUÉM ALGO RUIM SOBRE VOCÊ MESMO E SENTE MEDO QUE ESSA PESSOA NÃO VENHA A TE AMAR POR CAUSA DISSO, AÍ VOCÊ SE SURPREENDE, JÁ QUE NÃO SÓ CONTINUAM TE AMANDO, COMO AGORA TE AMAM MAIS AINDA." SAMANTHA, 7 ANOS.
"HÁ 2 TIPOS DE AMOR, O NOSSO AMOR E O AMOR DE DEUS, MAS O AMOR DE DEUS JUNTA OS DOIS." JENNY, 4 ANOS.
"AMOR É QUANDO MAMÃE VÊ O PAPAI SUADO E MAL CHEIROSO E AINDA FALA QUE ELE É MAIS BONITO QUE O ROBERT REDFORD." CHRIS, 8 ANOS (que sinceridade...)
"DURANTE MINHA APRESENTACÃO DE PIANO, EU VI MEU PAI NA PLATÉIA ME ACENANDO E SORRINDO. ERA A ÚNICA PESSOA FAZENDO ISSO E EU NÃO SENTIA MEDO." CINDY, 8 ANOS.
"AMOR É QUANDO VOCÊ FALA PARA UM GAROTO QUE LINDA CAMISA ELE ESTÁ VESTINDO, E ELE A VESTE TODO DIA." NOELLE, 7 ANOS.
"NÃO DEVERÍAMOS DIZER EU TE AMO A NÃO SER QUANDO REALMENTE O SINTAMOS. E SE SENTIMOS, ENTÃO DEVERÍAMOS EXPRESSÁ-LO MUITAS VEZES. AS PESSOAS ESQUECEM DE DIZÊ-LO". JESSICA, 8 ANOS.
"AMOR É SE ABRAÇAR, AMOR É SE BEIJAR, AMOR É DIZER NÃO". PATTY, 8 ANOS.
"AMOR É QUANDO SEU CACHORRO LAMBE SUA CARA, MESMO DEPOIS QUE VOCÊ DEIXA ELE SOZINHO O DIA INTEIRO." MARY ANN, 4 ANOS.
"QUANDO VOCÊ AMA ALGUÉM, SEUS OLHOS SOBEM E DESCEM, E PEQUENAS ESTRELAS SAEM DE VOCÊ." KAREN, 7 ANOS.
"DEUS PODERIA TER DITO PALAVRAS MÁGICAS PARA QUE OS PREGOS CAÍSSEM DO CRUCIFIXO, MAS ELE NÃO DISSE ISSO. ISSO É AMOR". MAX, 5 ANOS (com certeza é a melhor definição de amor que eu já li até hoje.)
Geralmente... O AMOR SE ENCONTRA EM PEQUENOS GESTOS. Você não pode imaginar quantas vidas gostariam ou precisam ouvir isso hoje.
c carinho, RONITA

HISTORIA VERÍDICA/UMA,DAS MILHARES,DE CURA,CARIDADE,LUZ...NA UMBANDA SAGRADA''PRA QUEM ACREDITA,E PRA QUEM NÃO ACREDITA...


RELATO POSTADO NO TOPICO ENSINAMENTOS PRETOS E PRETAS VELHAS...NO RBU/ NAO POSSO DEIXAR DE COMPARTIHAR!!!
luciana luna em 17 janeiro 2009 at 0:52 Saravá meus caros...
Bom, vou relatar o que aconteceu. A gira havia acabado. Todos os médiuns estavam sentados lancahando após uma gira pesada! Chega uma senhora amparada por um senhor. A dirigente explicou que a gira já havia encerrado e pediu que eles voltassem na próxima. E eles explicaram que haviam demorado duas horas e meia para chegar ao terreiro....A dirigente com um bom coração que tinha olhou...Olhou. Aquela senhora estava fazendo um tratamento de coluna há um mês com antibióticos e antiinflamatórios e nada resolvia. Chegando a casa amparada pelo esposo. Nossa dirigente pediu que levasse a senhora para a sala de cura e havia me chamado...Eu? Mas eu não trabalhava com cura!!! Mas fui. Tinha um médium que fazia a evangilização, a mãe pequena que incorporava um médico, a dirigente, um médium de passe e eu de psicofonia. Quando começaram os trabalhos todos fecharam os olhos e a senhora com muita, mas muita dificuldade virou de bruços na maca. QUANDO ELA VIROU FOI NÍTIDO O QUE VÍ....EM SUA COLUNA VERTEBRAL HAVIAM INSETOS AGARRADOS EM CADA NÓDULO. MAS ERAM INSETOS GIGANTESCOS CRAVANDO SEUS FERRÕES EM CASA PARTE DA COLUNA VERTEBRAL...Eu quando ví aquilo me assustei, pois não é sempre que vejo. Fiquei sem saber o que fazer. Olhava para as pessoas e todos estavam de olhos fechados. Tentei falar e pedir ajuda...Mas todos estavam concentrados...Até que num momento me dirigi calmamente a mãe pequena...Quando ia falar com ela, ela de pronto incorporou com o médico. Ela pegou minha mão e foi em direção a senhora que estava deitada...E eu sem saber o que fazer...E ao mesmo tempo tentando falar o que estava vendo. Não contive minha fala e falei em seu ouvido o que estava vendo...E o médico falou. Por isso que preciso da sua ajuda. Então com as nossas mãos juntas o médico falou. Eu vou abrir e vc vai tirar. Quando ele passou as mãos pela coluna da senhora tudo ficou mais vivo. O começo da retirada dos insetos foi muito difícil. Mesmo porque eu estava nervosa e os ferrões estava muito endurecidos...Foi necessário fazer os trabalhos por duas vêzes. Mas foi um trabalho magnífico! Quando todos os insetos foram retirados. Éu falei acabei...LOGO QUANDO O MÉDICO ERGUEU SUAS MÃOS SAIU UM RAIO DE LUZ VIOLETA COMO SE FOSSE UM LENÇOL COBRINDO AQUELA SENHORA...ISSO DUROU UNS 30 SEGUNDOS E LOGO TUDO ACABOU. A senhora saiu da sala e todos nós juntos. Voltamos a lanchar. Essa senhora recebeu da sala de cura uma garrafa de água fluidificada. Colocou ao seu lado. E entre uma conversa e outra ela esbarrou na garrafa e ela caiu no chão! E sabem o que aconteceu????????? A SENHOR RODOU SUA COLUNA E ABAIXOU PARA PEGAR NUMA VELOCIDADE INCRÍVEL! PARECIA UMA JOVEM!... SARAVÁ !!!

AJUDA SEM QUESTINAMENTOS,FAZENDO AO PROXIMO O QUE GOSTARIEIS QUE O FIZESSEM A VÓS SE ESTIVÉSSEIS NA MESMA SITUAÇAO ''NAQUELE MOMENTO''!!


Cora Coralina Estavam ali parados. Marido e mulher. Esperavam o carro. E foi que veio aquela da roça tímida, humilde, sofrida. Contou que o fogo, lá longe, tinha queimado seu rancho, e tudo que tinha dentro. Estava ali no comércio pedindo um auxílio para levantar novo rancho e comprar suas pobrezinhas. O homem ouviu. Abriu a carteira tirou uma cédula, entregou sem palavra. A mulher ouviu. Perguntou, indagou, especulou, aconselhou, se comoveu e disse que Nossa Senhora havia de ajudar E não abriu a bolsa. Qual dos dois ajudou mais? Donde se infere que o homem ajuda sem participar e a mulher participa sem ajudar. Da mesma forma aquela sentença: "A quem te pedir um peixe, dá uma vara de pescar." Pensando bem, não só a vara de pescar, também a linhada, o anzol, a chumbada, a isca, apontar um poço piscoso e ensinar a paciência do pescador. Você faria isso, Leitor? Antes que tudo isso se fizesse o desvalido não morreria de fome? Conclusão: Na prática, a teoria é outra.

MADRE TEREZA DE CALCUTA


O que eu faço é simples: ponho pão nas mesas e compartilho-o. Madre Teresa de Calcutá O senhor não daria banho em um leproso nem por um milhão de dólares? Nem eu. Somente por amor se pode dar banho em um leproso. Madre Teresa de Calcuta A vida A vida é uma oportunidade, aproveita-a. A vida é beleza, admira-a. A vida é beatificação, saborei-a. A vida é sonho, torna-o realidade. A vida é um desafio, enfrenta-o. A vida é um dever, cumpre-o. A vida é um jogo, joga-o. A vida é preciosa, cuida-a. A vida é riqueza, conserva-a. A vida é amor, goza-a. A vida é um mistério, desvela-o. A vida é promessa, cumpre-a. A vida é tristeza, supera-a. A vida é um hino, canta-o. A vida é um combate, aceita-o. A vida é tragédia, domina-a. A vida é aventura, afronta-a. A vida é felicidade, merece-a. A vida é a VIDA, defende-a. Madre Teresa de Calcutá

LIRIOS DO VENTO...


Sinto amor por ti, algo como um rio que corre, fluindo em direção ao grande mar... E peço, com silêncio e vontade, proteção para o caminho que escolheste percorrer; peço para que este traga o que teu coração tanto anseia, para estar sempre em conexão com a luz que a tudo banha e renova. Peço amplitude para que a tua visão interior possa estender-se para além dos limites que os teus medos ainda impõem na esperança vã que permaneças sozinho, dependente de ilusões. Peço consciência para que a tua coragem abra os campos floridos do teu ser para que corras em liberdade, em agradecimento pelo céu que te cobre, pela terra que te dá sustentação, pela água que sacia tua sede, pelos ventos mornos que acariciam teus cabelos... Peço amor para que possas empreender a tua jornada sem sofrimento, sem solidão, compartilhando com os teus o que de mais sagrado alguém pode sentir e ofertar. Que a tua alegria seja grande, que teu riso chegue aos ouvidos de Deus como um convite a celebrar a vida, a vida que pulsa em cada milímetro do teu ser. Olha, lá estão os lírios dos ventos... Colhe-os e dá aos teus irmãos como símbolo da tua alegria, da tua paz de espírito. E lembra: tempos de aprender são aqueles que te lembram que o perdão deve estar presente, dia a dia, para que possas renascer da tua própria luz, da tua própria sabedoria. Sê feliz, e agradece por tudo que te é dado, és abençoado pelo simples fato de estares aqui.

LOUVOR ÀS CRIATURAS E A MÃE NATUREZA


''Louvado seja Deus na natureza, Mãe gloriosa e bela da Beleza, E com todas as suas criaturas; Pelo irmão Sol, o mais bondoso E glorioso irmão pelas alturas, O verdadeiro, o belo, que ilumina Criando a pura glória - a luz do dia! Louvado seja pelas irmãs Estrelas, Pela irmã Lua que derrama o luar, Belas, claras irmãs silenciosas E luminosas, suspensas no ar. Louvado seja pela irmã Nuvem que há de Dar-nos a fina chuva que consola; Pelo Céu azul e pela Tempestade; Pelo irmão Vento, que rebrama e rola. Louvado seja pela preciosa, Bondosa água, irmã útil e bela, Que brota humilde. é casta e se oferece A todo o que apetece o gosto dela. Louvado seja pela maravilha Que rebrilha no Lume, o irmão ardente, Tão forte, que amanhece a noite escura, E tão amável, que alumia a gente. Louvado seja pelos seus amores, Pela irmã madre Terra e seus primores, Que nos ampara e oferta seus produtos, árvores, frutos, ervas, pão e flores. Louvado seja pelos que passaram Os tormentos do mundo dolorosos, E, contentes, sorrindo, perdoaram; Pela alegria dos que trabalham, Pela morte serena dos bondosos. Louvado seja Deus na mãe querida, A natureza que fez bela e forte: Louvado seja pela irmã Vida Louvado seja pela irmã Morte.'' FRANCISCO DE ASSIS

FORÇA INTERIOR


''Do fundo desta noite que persiste A me envolver em breu - eterno e espesso, A qualquer deus - se algum acaso existe, Por mi’alma insubjugável agradeço. Nas garras do destino e seus estragos, Sob os golpes que o acaso atira e acerta, Nunca me lamentei - e ainda trago Minha cabeça - embora em sangue - ereta. Além deste oceano de lamúria, Somente o Horror das trevas se divisa; Porém o tempo, a consumir-se em fúria, Não me amedronta, nem me martiriza. Por ser estreita a senda - eu não declino, Nem por pesada a mão que o mundo espalma; Eu sou dona e senhora de meu destino; Eu sou A comandante de minha alma.''

EU ACREDITO...


Eu acredito,e isto e um particular meu,que nosso caminhar e em particular,cada um de nos temos liçoes diversificadas para aprender,mediante o colher do que semeamos,nesta vida,e em vidas passadas...Acredito tambem,que por ser assim,e que o que as vezes doi demais para alguns,nao faz nem cosquinhas,em outros...talvez por isto,pensamos que alguns sao mais fortes ou mais fracos,mas nao acredito que seja assim,acredito que,dependendo as circusnstancias,um ou outro ja esta aprendido sobre tal aspecto,e o outro esta vivenciando o aprender...tudo depende em que estagio se encontra nossa alma,em relaçao a cada situaçao... e neste caso,um pode ser forte e compreender determinadas situaçoes,e o outro reagir de forma que sofra,se ressinta,por ainda estar compreendendo... e estes mesmos,em outra circunstancia qualquer,o que se ressentiu ,pode colocar-se em posiçao de fortaleza e compreensao,e o que se resignou e suportou o que o outro nao,neste patamar,tambem sofra,se ressinta,pois este ainda nao estava aprendido...E por acreditar nisto,que a uniao,fraternidade entre todos nos,nao so umbandistas,e sim todos seres humanos,e salutar,e extritamente necessaria,porquanto nao podemos aprender pelos outros o que so eles mesmos,com seu livre arbitrio,podem,chegar a conclusoes por seus proprios esforços,e sofrimentos,e da mesma forma ninguem pode faze-lo tambem por nos...mas,ampararmo-nos mutuamente,isto podemos....orientarmo-nos,mutuamente...e,sem pre julgar,amarmos uns aos outros,como nos amou nosso Mestre Jesus...assim,nossa caminhada torna-se irradiada de esperanças...E,acima de tudo,compartilhada,no Amor MAIOR...'' .... com carinhos, RONITA

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

RONITA

videoVocê ainda é o único(Quando eu te vi pela primeira vez, eu vi o amor.E na primeira vez que você me tocou, eu senti o amorE depois desse tempo todo, você ainda é quem eu amo.)Parece que nós conseguimosOlhe o quanto nós chegamos longe meu queridoNós devemos ter seguido o caminho longoNós sabíamos que chegaríamos lá algum diaPonte:Eles diziam, "Eu aposto que eles nunca conseguirão"Mas somente olhe para nós aquiNós ainda estamos juntos e forte:(Você ainda é aquele)Você ainda é aquele para quem eu corroAquele a quem eu pertençoVocê é aquele que eu quero na vida(Você ainda é aquele)Você ainda é aquele que eu amoAquele com quem eu sonhoVocê ainda é aquele que eu beijo boa noiteNão existe nada melhorNós derrotamos o improvável juntosEu estou feliz por não termos escutadoOlhe para o que nós poderíamos estar perdendoEu estou feliz por nós termos conseguidoOlhe o quanto longe nós chegamos meu querido

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

COM OS RELACIONAMENTOS,APRENDI...


''QUE O AMOR SEMPRE VENCE.QUE NAO DEVEMOS CONFIAR NAS PESSOAS SEM CONHECE-LAS PRIMEIRO...QUE SOMOS ANJOS CAIDOS OU NAO,NA LUZ OU NAS TREVAS DE NOS MESMOS...QUE NAO PODEMOS AJUDAR A NINGUEM QUE NAO QUEIRA SER AJUDADO...QUE CADA QUAL EXERCE SEU LIVRE ARBITRIO,E VIVE EM FUNÇAO DE COLHER OS FRUTOS DE SUAS ESCOLHAS...QUE NOSSO CAMINHAR E´ EM PARTICULAR,EM DIRECAO AO CRIADOR,PARA NOSSA EVOLUÇAO...E QUE OS RELACIONAMENTOS,SAO AS PONTES QUE CONSTRUIMOS,OU DESTRUIMOS,SE VIVENCIADOS NA FRATERNIDADE E CARIDADE,OU NO ODIO E VINGANÇA...QUE SE EU NAO ATRAVESSO O CAMINHO DE NINGUEM,E NINGUEM ATRAVESSA O MEU,CADA QUAL EM SEU CAMINHO,PODEMOS TRAÇAR ASSIM OS LIMITES DO RESPEITO...QUE TUDO E TODOS QUE EXISTEM EMBAIXO DO SOL E DO CEU,PERTENCEM SOMENTE A DEUS...E A SI MESMOS...QUE SOMOS ESPIRITOS VIVENCIANDO UMA EXPERIENCIA HUMANA...EM ETERNOS REENCONTROS...E REAJUSTES...E APRENDIZADOS CONSTANTES...QUE SEM PERDAO,AMOR,FE,RESPEITO, RELACIONAMENTOS TORNAM-SE INSUPORTAVEIS...QUE PODEMOS ESCOLHER OS AMIGOS,OS AMORES,E OS COMPANHEIROS DE CAMINHADA...'' ..................................................... SARAVA AOS IRMAOS DE FE! RONITA

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

''NINGUEM TE AMA...COMO EU...!''



video

''foi assim que me encontrei com ''ele''...

CAFUSA DE IANSÃ



Cafuza de Iansã (Eloisa Helena Maranhão Lellis) Ela não passava ainda de um bebê de fraldas, tentando se equilibrar nos pezinhos trôpegos, cabelos começando a crescer, ondulando pelos ombros, muito pretos, pele morena avermelhada, o que lhe rendeu o apelido de Urucum, olhos negros de boi bravo, boi marruá indomável, fugido pros matos quando se tentou domesticá-lo, olhinhos pequenos, sempre ardendo em mil febres diferentes, sempre em busca.
Pois ela não tinha ainda dois anos, e nem mais era amamentada, pois recusava aquele leite e aquele colo que a deixavam inquieta de vontade de andar e correr pelos terreiros - e que depois passaria o resto da vida procurando, não os terreiros, território doméstico, mas leite materno e colo que a fizessem sossegar, procurando e nunca encontrando -, e num desses dias quaisquer entre o primeiro e o segundo aniversário o pai de santo jogou os búzios e declarou, cerimonioso, "é filha de Iansã, essa menina". A mãe calou-se, desejava uma filha menos guerreira, filha de Oxum, talvez, de Iemanjá, de algum santo mais tranqüilo, mas a escolha não era dela, e a filha era o que deveria ser, Epa Hei Iansã!
Mas o ajuntó da menina era Oxossi, senhor das florestas virgens, das matas verdes não cultivadas, e quem conhece de santos de cabeça e ajuntós pode imaginar o que será dessa cafuzinha.
Pra quem não conhece, conto eu.
Foi crescendo inquieta, explosiva, indomável, diziam os vizinhos, onde já se viu uma criança tão estourada, e tão briguenta, e tão apimentada, parece um vatapá cheio de dendê, que boca suporta?, salve Exu!, ô meu pai, deixe a menina em paz, já não basta ser filha de Iansã e Oxóssi?
Ainda pequena quantas vezes havia fugido pras matas, depois de ataques de cólera por coisas mínimas, ou aberto os currais, os chiqueiros, os galinheiros, espantando os animais domésticos de volta à selva de onde não deveriam ter sido retirados. Quem quiser comer que cace, respondia em sua lógica irrefutável quando perguntada se deixaria sua aldeia passar fome, e então se podia ouvir a gargalhada de Oxossi balançando as folhas das árvores, e o pai de santo meneava a cabeça.
Enquanto as outras meninas miravam-se nos espelhos e teciam saias coloridas, Cafuza fabricava arcos e flechas para a caça, e mirava-se nas águas dos rios e lagoas, e era ali que conversava com Oxum e a Iara, e conseguiu o milagre de vê-las juntas, penteando-se os cabelos uma da outra, e ensinaram a menina a tecer tranças e enfeitar-se com búzios e conchas coloridas, e flores e penas, e borboletas vivas e pequenas pererecas, e era o ser mais atraente e mais estranho, aquela mocinha andando na aldeia com brincos de borboletas, colares de besouros e joaninhas, e pulseiras de pererecas ou cobras enroladas nos pulsos e tornozelos.
Quando queria desculpar-se ou agradar alguém ela trazia alguma ave caçada e depositava aos pés da pessoa, e saía feliz por ter dado o melhor de si a quem amava. Nem percebia que seu melhor de si não era compreendido nem acatado, ao menos enquanto era jovem. Depois passou a perceber isso, e ficar mais furiosa ainda quando não a aceitavam como era. Que culpa podia ter de ser o que era, e não o que desejavam de si.
Crescia também cheia de charme a cafuza, sensual, aquele rebolado deixava os homens loucos, os negros, os índios, os cafuzos, até os brancos que por ali passavam para negociar em lombo de burros, primeiro, depois nos trens, enlouqueciam de desejo pela cafuza, imaginavam que domá-la na cama seria o que de melhor podia haver na vida.
Homens. Sem comentários. Todos sabemos como são os homens. Mas ninguém sabe quem são realmente as mulheres.
Principalmente uma mulher cafuza, filha de Iansã e Oxossi, que não nascera para ser domada, para viver domesticada, para seguir os caminhos dos homens que a queriam para si, sim, quem resistia a tanto furor e tanta vida, mas a queriam submissa, seguindo os caminhos que eles escolhessem.
Cafuza nunca aceitaria isso. Nunca, vírgula, depois que se conheceu, e, já na metade da vida, aprendeu que não valia a pena deixar o próprio caminho para seguir o de outro.
Até chegar nesse ponto ela seguiu, seguiu por amor, seguiu por carência, seguiu por necessidade de colo e leite materno, seguiu por medo de andar no caminho que era dela, seguiu por tantos motivos que quando se encarou de frente, depois de mais um casamento fracassado, dos tantos casos de amor que tivera, quando se encarou ficou estupefata de ter cedido tanto e por tão pouco. Estupefata de ter vivido buscando no sexo o carinho que não lhe tinham, a ternura que desejava, mas espantava com seus acessos de fúria e sua sinceridade atroz. Quando ventava não sobrava pedra sobre pedra, palha que havia sido tão bem colocada nos telhados, paredes de taipa e pau-a-pique, árvores fixadas em suas raízes.
Essa consciência surgiu num de seus acessos de paixão, que a deixaram de quatro, arriada, e quando percebeu, tudo com que aquele novo amor lhe acenava eram os mesmos caminhos alheios - os dele, agora -, alguns carinhos esparsos - quando ele tivesse tempo ou vontade-, companhia quando ela estivesse tranqüila para ser o pouso que ele desejava dela.
Mas ela nunca estava tranqüila. Não servia de pouso, pois era o próprio vento agitado que empurrava e fazia soçobrar as naus, eram os furacões, e dentro de si trazia tufões e ventanias carregadas de nuvens escuras, prontas a tragar incautos. Mas não adiantava avisar. Homens são assim, detestam avisos, não prestam atenção ao perigo, para depois se queixarem das injustiças da vida.
Os intrépidos, que tiveram ousadia de se aproximar e conviver com ela, logo se cansavam, exaustos, das iras, das tempestades sem motivos - pelo menos motivos que eles pudessem detectar -, das gargalhadas fora de hora, e dos choros convulsos, muitas vezes depois do sexo, e nunca sabiam o que fazer com uma mulher daquela intensidade, já que não haviam conseguido o intento de domá-la.
Ela também se cansava de ceder, de fingir - mesmo que com a melhor das intenções, e a melhor das motivações era amar tanto e querer estar junto do amado -, cansava de estar sempre tentando ser quem não era, sempre tentando controlar suas paixões e manter-se estável, centrada, quando nunca tivera centro - tão excêntrica -, ou talvez tivesse muitos, vários, constantemente oscilando entre seus múltiplos centros. Dançava rodopiando, não sabia passos de valsa.
O único homem que a compreendera, e compreendera tanto que decidiu dançar sozinho o resto da vida depois de dançar com ela, entendera que ela não havia nascido para seguir ninguém, e que não teria dono, nunca. Se conheceram num forró, um arrasta-pé banhado a Luiz Gonzaga, ele no canto, solitário, encolhido, marcado de bexigas no rosto e no corpo todo, envergonhado, ela espiando, até que o tirou para dançar... Tu que andas pelo mundo, sabiá, tu que tanto já voou, tu que cantas passarinho, alivia a minha dor... tem pena d'eu, diz por favor, tu que choras passarinho, onde anda meu amor...
No rodopio e no hálito da cafuza o moreno embelezou-se, sentiu-se alto, pele limpa, bonito até, feliz naquela noite. Nunca mais quis dançar com mulher nenhuma, e deixou a cafuza para que seguisse o próprio caminho. Ele foi o único que soube amá-la como ela era. Por isso mesmo deixou-a livre, não a obrigou a seguir com ele pelos caminhos que, sabia, não eram os dela.
Ela continuou sua sina.
Conforme o tempo ia passando, Cafuza tornava-se mais mansa, menos estouvada, mas cheia das marcas das danças e das ventanias que provocava. Também nela ficavam marcas, não só nos outros que a acusavam de lanhar seus corpos e almas com sua guerra. Toda guerra fere dos dois lados da batalha, ela foi aprendendo, e ninguém briga sozinho. Muitas vezes o réu era a verdadeira vítima, e agiu como reação ao que sofreu. Outras, não. Nada se pode generalizar.
Era cada vez menos vista na aldeia, e mais nas matas. Continuava caçando solitariamente, principalmente nas noites banhadas de luar, e um branco doutor que a viu caçando voltou para sua Alemanha, depois da expedição, com aquela Ártemis cafuza nas retinas, abandonou seu cristianismo de fachada e passou a estudar o sincretismo, até entender o que Diana dos Efésios fazia ali nas selvas da América do Sul, travestida de índia e negra. Não sei se entendeu.
De tanto caçar e perambular mata adentro, acabou por encontrar-se com Oçãnhe, que apiedou-se dela, depois de meses de rabos de olhos mútuos um no outro, e oferendas de todo tipo de caça que ela lhe trazia, mas apiedou-se mais quando a viu estendida sobre o húmus, chorando por tudo que fizera intempestivamente na vida, e por todos os caminhos que não deram certo, e por todas as marcas que deixara em todos com quem havia se encontrado, ali abandonada e cheia de culpas. Então a ensinou a usar ervas e preparar bebidas e cantar cantos que a consolavam e aliviavam sua solidão. Deu-lhe um pequeno atabaque que ela passou a usar amarrado à cintura, e tocar quando já não suportava mais o silêncio a que havia se submetido por opção própria. E por falta de opção, também.
"Quem vem lá?" Aquela voz não lhe era estranha. Já a tinha ouvido nos sonhos, e muitas vezes dentro dos cômodos onde os moribundos jaziam, confortados pela comunidade, até atravessarem o umbral. Era rouca, a voz, magoada, ressentida e envelhecida de milhares de séculos, uma voz que saíra do começo dos tempos. Cafuza tremeu, mas não se entregou. Nunca havia se entregado, não o faria agora.
"Tire essas flechas com pontas de metal", a velha disse, e Cafuza obedeceu. Compreendeu, também. Aquele pântano onde havia entrado eram as terras de Nanã Buruke, e nem Iansã se atreveria a enfrentá-la. Não agora, quando estava velha demais para lutar. As duas se olharam, avó e neta, avó e avó, e já não sabiam quem era uma e quem era outra. Cafuza, num último ato impulsivo, lançou-se nos braços de Nanã. Afundou na terra fofa enlameada. Havia, enfim, chegado ao porto. Encontrado o repouso.'' ''


video


''EU SÓ PEÇO A DEUS...QUE A GUERRA NÃO ME SEJA INDIFERENTE...É UM MONSTRO GRANDE PISA FORTE...TODA POBRE INOCENCIA DESTA GENTE...''


''EU SÓ PEÇO A DEUS...QUE A MENTIRA NÃO ME SEJA INDIFERENTE...SE UM SÓ TRAIDOR TEM MAIS PODER QUE UM POVO...QUE ESTE POVO NÃO O ESQUEÇA FACILMENTE...''


''EU SÓ PEÇO A DEUS...QUE A INJUSTIÇA NÃO ME SEJA INDIFERENTE...POIS NÃO POSSO DAR A OUTRA FACE...SE JÁ FUI MACHUCADA BRUTALMENTE...''

''EU SÓ PEÇO A DEUS...QUE A DOR NÃO ME SEJA INDIFERENTE...QUE A MORTE NÃO ME ENCONTRE UM DIA...SOLITÁRIA,SEM TER FEITO...O QUE EU QUERIA...''


QUEM SOU



Frase:
''NAO FAÇA AOS OUTROS,O QUE NAO GOSTARIAS QUE O FIZESSEM A VOS''.

Quem sou:
''humilde aprendiz de umbanda...por vezes,direta por demais com minha sinceridade sagitariana...bisneta de cigana,bisneta de Índio,bisneta de médium curador catimbozeiro...todos do oeste de minas gerais...nasci no mato grosso,mas fui criada em São paulo...minhas raízes,sao mineiras..como dizia Marco Brasil,minha casa é o mundo e meu cadeado e um nó...sou livre...a austeridade me atrai,e faz parte de minhas leis interiores...a honra,a força e a fé tambem...meus pais costumam dizer que sou ''dificinha''..rsss..acho que não...só nao consigo conviver com mentiras,hipocrisia...o que mais me aborrece?promiscuidade...luxúria...mentiras...o que mais me agrada?sinceridade,transparência...dignidade...sou determinada.Sou guerreira.Uma forte aliada,em qualquer situação..Eu sou corajosa...eu não tenho medo...e não atravesso o caminho de ninguém,e é bom nao atravessarem o meu...rss...eu amo as pessoas...de verdade..sou leal e sempre terei gratidão,nunca me esqueço todas pessoas que me estenderam as mãos para me ajudar...nao gostar de mim,significa não me conhecer...ou então...significa ter atravessado meu caminho...rsss...sou mãe,e avó...sou humilde por natureza,a mesma pessoa ganhando muito dinheiro,ou sem dinheiro algum..O dom da partilha,me faz feliz,por isto,o exerço sempre que posso....sou teimosa...um pouco,às vezes...sou filha da Mãe Iansã...Na frente,vem meu pai Ogum..Juntó em Oxossi...sou amiga...e companheira...tenho dificuldade em perdoar uma traição,de qualquer sorte... a lealdade e tudo para mim...tenho princípios...e os sigo...canto quando estou alegre,canto quando estou triste... Vou sempre pelo meu caminho...sempre...sei sempre para onde estou indo...nunca,em uma batalha,deixo um companheiro(a)para trás...eu abomino o abandono de qualquer sorte...Sou sua irmã Ronita... muito prazer... e....SARAVÁ!!!''
................................
Related Posts with Thumbnails