UMA VOZ VINDA DO INTERIOR/(POESIA)

Quedado da insônia da noite,
Perscruto o íntimo do meu íntimo,
Soluço no encontro do EU revolto,
Como se fora, dos homens, o último.

Observo o espaço e vejo o Infinito,
Os astros, como ribalta, brilhando,
As nuvens que inquietam o vento,
Silente dança de som saltitando.

À estrela mais linda pergunto
Se meus amores nela se escondem;
À estrela mais longe pergunto
Se nela se escondem meus afagos.

Lanço-me no espaço. Ardência.
Na lua procuro os meus risos,
Na estrela toda a paciência,
No cometa minha quietude. Amo.

Em vão derivo no espaço,
Na luz dos sóis procurando,
Ascendendo e descendendo,
Na sombra das espirais buscando.

Subo, subo, aos mais alto subo,
Ao Poder Maior, à paz, ao perdão,
Que diz, tronitoante: volva tua busca,
Pois que teu encontro está no chão

Onde estás, amado espírito gêmeo?

Em minha casa encontro o ninho,
Os meus filhos a eterna vida.
Mas onde se esconde, sem carinho,
O inebriar da doce felicidade?

Mansidão do pássaro, fúria da fera;
Remando do riacho, calmaria do lago;
Sêmen da flor, apostolado da bela.
Em nenhum lugar encontro a ti.

Por que não apaziguas meu coração,
Não aquietas o ardor dos meus seios,
Embalas meu sono no perfume dos sonhos
Não vives a vivência dos meus anseios?

Por ti roncam meus instintos incontidos,
Meu amor, meus afagos, minhas carícias,
Meus sentimentos revoltos e embutidos,
Meus sonhos, enlevos, minhas existências.

Nos sonhos tua lisa pele acaricio,
Nos enlevos teus lábios beijo,
Na existência teus remansos crio,
Tua imagem em meus olhos gravo.

Por que não vens, criatura,
Isenta da paixão mais impura,
Rica do sentimento mais nobre,
Carente do afago mais sincero,
Íntima como mulher escultura,
Viver a essência mais pura?

E eu poderei ter
Toda a existência de um
SER.

Namastê!
Ad...

Por Ronaldo Adonai