(trecho do SERMÃO DE BENARES, Buda (A Luz da Ásia)).


"Os ovos cinzentos no ninho do colibri dourado são seus tesouros; as celas hexagonais das abelhas são seus potes de mel; a formiga segue seus caminhos, e a pomba branca os conhece perfeitamente.
Ele abre as asas da águia que carrega para casa sua presa; faz regressar a loba para perto dos seus lobinhos; encontra alimento e amigos para os seres que ninguém ama.
Nada lhe repugna nem o detém; ama tudo; faz brotar o doce leite do seio das mães; faz fluir também as gotas brancas que distilam dos dentes das jovens serpentes.
Regula a harmonia dos globos em marcha para a abóbada infinita do céu; oculta nos profundos abismos da terra o ouro, os sárdios, as safiras e os lápis-lazúlis.
Elaborando sem cessar seus mistérios, se oculta nos verdes claros das selvas e alimenta plantas estranhas ao pé dos cedros, ideando folhas, flores e hastes; mata e salva sem outro fim que realizar o Destino; seus fios são o Amor e a Vida; a Morte e a Dor são as lançadeiras do seu tear.
Faz e desfaz corrigindo tudo; o que foi trabalhado agora é melhor que o que existia antes; sob suas mão hábeis se aperfeiçoa lentamente o esplêndido modelo que projetou.''
(trecho do SERMÃO DE BENARES, Buda (A Luz da Ásia)).