trecho do Capitulo 8/No Plano dos Sonhos/ Do Livro Missionários da Luz/Pelo Espírito de André Luiz/Chico Xavier




trecho do Capitulo 8/No Plano dos Sonhos/ Do Livro Missionários da Luz/Pelo Espírito de André Luiz/Chico Xavier
**********************************************
– Quando encarnados, na Crosta, não temos bastante consci-
ência dos serviços realizados durante o sono físico; contudo, esses
trabalhos são inexprimíveis e imensos. Se todos os homens prezassem seriamente o valor da preparação espiritual, diante de
semelhante gênero de tarefa, certo efetuariam as conquistas mais
bril
hantes, nos domínios psíquicos, ainda mesmo quando ligados
aos envoltórios inferiores. Infelizmente, porém, a maioria se vale,
inconscientemente, do repouso noturno para sair à caça de emo-
ções frívolas ou menos dignas. Relaxam-se as defesas próprias, e
certos impulsos, longamente sopitados durante a vigília, extravasam em todas as direções, por falta de educação espiritual, verdadeiramente sentida e vivida.
Interessado em esclarecimentos completos. Indaguei:
– Entretanto, isto ocorre com aprendizes de cursos avançados
do Espiritualismo? Poderiam ser vítimas desses enganos alunos de
um instrutor da ordem de Alexandre?
– Como não? – tornou Sertório, fraternalmente. – Com referência a essa probabilidade, não tenha qualquer dúvida. Quantos
pregam a Verdade, sem aderirem intimamente a ela? Quantos
repetem fórmulas de esperança e paz, desesperando e perseguindo, no fundo do coração? Há sempre muitos “chamados” em
todos os setores de construção e aprimoramento do mundo! Os
“escolhidos”, contudo, são sempre poucos.
Completando o pensamento, como a escoimá-lo de qualquer
falsa noção de particularismos na obra divina, Sertório acrescentou:
– E precisamos reajustar nossas definições sobre os “escolhidos”. Os companheiros assim classificados não são especialmente
favorecidos pela graça divina, que é sempre a mesma fonte de
bênçãos para todos. Sabemos que a “escolha”, em qualquer trabalho construtivo, não exclui a “qualidade”, e se o homem não
oferece qualidade superior para o serviço divino, em hipótese
alguma deve esperar a distinção da escolha. Infere-se, pois, que
Deus chama todos os filhos à cooperação em sua obra augusta,
mas somente os devotados, persistentes, operosos e fiéis constroem qualidades eternas que os tornam dignos de grandes tarefas. E,
reconhecendo-se que as qualidades são frutos de construções
nossas, nunca poderemos esquecer que a escolha divina começará
pelo esforço de cada um.
A tese do companheiro era assaz interessante e educativa,
mas havíamos atingido pequeno edifício, em frente do qual Sertó-
rio se deteve e falou:
– É a residência de Vieira. Vejamos o que se passa.
Acompanhei-o em silêncio.
Em poucos instantes, encontrávamo-nos dentro de quarto
confortável, onde dormia um homem idoso, fazendo ruído singular. Via-se-lhe, perfeitamente, o corpo perispirítico unido à forma
física, embora parcialmente desligados entre si. Ao seu lado,
permanecia uma entidade singular, trajando vestes absolutamente
negras. Notei que o companheiro adormecido permanecia sob
impressões de doloroso pavor. Gritos agudos escapavam-lhe da
garganta. Sufocava-se, angustiadamente, enquanto a entidade
escura fazia gestos que eu não conseguia compreender.
Sertório acercou-se de mim e observou:
– Vieira está sofrendo um pesadelo cruel.
E indicando a entidade estranha:
– Creio que ele terá atraído até aqui o visitante que o espanta.
Com efeito, muito delicadamente, o meu interlocutor come-
çou a dialogar com a entidade de luto:
– O amigo é parente do companheiro que dorme?
– Não, não. Somos conhecidos velhos.
E. muito impaciente, acentuou: Francisco Cândido Xavier -
– Hoje, à noite, Vieira me chamou com as suas reiteradas
lembranças e acusou-me de faltas que não cometi, conversando
levianamente com a família. Isso, como é natural, desgostou-me.
Não bastará o que tenho sofrido, depois da morte? Ainda precisarei ouvir falsos testemunhos de amigos maledicentes? Não poderia esperar dele semelhante procedimento, em virtude das relações
afetivas que nos uniam as famílias, desde alguns anos. Vieira foi
sempre pessoa de minha confiança. Em razão da surpresa, deliberei esperá-lo nos momentos de sono, a fim de prestar-lhe os necessários esclarecimentos.
O estranho visitante. Todavia, fez uma pausa, sorriu irônico, e
continuou:
– Entretanto, desde o momento em que me pus a explicar-lhe
a situação do passado, informando-o quanto aos verdadeiros
móveis de minhas iniciativas e resoluções na vida carnal, para que
não prossiga caluniando-me o nome, embora sem intenção, Vieira
fez este rosto de pavor que estão vendo e parece não desejar ouvir
as minhas verdades.
Interessado nas lições novas, aproximei-me do amigo, cujo
corpo descansava em posição horizontal, e senti-lhe o suor frio
ensopando os lençóis.
Não revelava compreender convenientemente o auxílio que
lhe era trazido, fixando-nos com estranheza e ansiedade, intensificando, ainda mais, os gemidos gritantes que lhe escapavam da
boca.
Sentindo a silenciosa reprovação de Sertório, o habitante das
zonas inferiores dirigiu-lhe a palavra de modo especial:
– O senhor admite que devamos ouvir impassíveis os remoques da leviandade? Não será passível de censura e punição o
amigo infiel que se vale das imposições da morte para caluniar e
deprimir? Se Vieira sentiu-se no direito de acusar-me, desconhe-
cendo certas particularidades dos problemas de minha vida privada, não é justo que me tolere os esclarecimentos até ao fim? Não
sabe ele, acaso que os mortos continuam vivos? Ignorará, porventura, que a memória de cada companheiro deve ser sagrada? Ora
esta! Eu mesmo já lhe ouvi, em minha nova condição de desencarnado, longas dissertações referentes ao respeito que devemos
uns aos outros... Não considera, pois, que tenho motivos justos
para exigir um legítimo entendimento?
O interpelado esboçou um gesto de complacência e observou:
– Talvez esteja com a razão, meu caro. Entretanto, creio deva
desculpar seu amigo! Como exigir dos outros conduta rigorosamente correta, se ainda não somos criaturas irrepreensíveis? Tenha calma, sejamos caridosos uns para com os outros!...
E, enquanto a entidade se punha a meditar nas palavras ouvidas. Sertório falou-me em tom discreto:
– Vieira não poderá comparecer esta noite aos trabalhos.
Não pude reprimir a má impressão que a cena me causava e,
talvez porque eu fizesse um olhar suplicante, advogando a causa
do pobre irmão, quase a desencarnar-se de medo, o auxiliar de
Alexandre prosseguiu:
– Retirar violentamente a visita, cuja presença ele próprio
propiciou, não é tarefa compatível com as minhas possibilidades
do momento. Mas podemos socorrê-lo, acordando-o.
E, sem pestanejar, sacudiu o adormecido, energicamente, gritando-lhe o nome com força.
Vieira despertou confuso, estremunhando, sob enorme fadiga,
e ouvi-o exclamar, palidíssimo:
– Graças a Deus, acordei! Que pesadelo terrível!... Será crível
que eu tenha lutado com o fantasma do velho Barbosa? Não! Não
posso acreditar!...
Não nos viu, nem identificou a presença da entidade enlutada,
que ali permaneceu até não sei quando. E, ao retirarmo-nos, ainda
lhe notei as interrogações íntimas, indagando de si mesmo sobre o
que teria ingerido ao jantar, tentando justificar o susto cruel com
pretextos de origem fisiológica. Longe de auscultar a própria
consciência, com respeito à maledicência e à leviandade, procurava materializar a lição no próprio estômago, buscando furtar-se à
realidade.
Sertório, porém, não me proporcionou ensejo a maiores reflexões. Convocando-me ao dever imediato, acrescentou:
– Visitemos o Marcondes. Não temos tempo a perder.
Daí a dois minutos, penetrávamos outro apartamento privado;
todavia, o quadro agora era muito mais triste e constrangedor.
Marcondes estava, de fato, ali mesmo, parcialmente desligado
do corpo físico, que descansava com bonita aparência, sob as
colchas rendadas. Não se encontrava ele sob impressões de pavor,
como acontecia ao primeiro visitado; entretanto, revelava a posi-
ção de relaxamento, característica dos viciados do ópio. Ao seu
lado, três entidades femininas de galhofeira expressão permaneciam em atitude menos edificante.
Vendo-nos, de súbito, o dono do apartamento surpreendeu-se,
de maneira indisfarçável, mormente em fixando Sertório, que era
de seu mais antigo conhecimento. Levantou-se, envergonhado, e
ensaiou algumas explicações com dificuldade:
– Meu amigo – começou a dizer, dirigindo-se ao auxiliar de
Alexandre –, já sei que vem procurar-me... Não sei como esclarecer o que ocorre...
Não pôde, contudo, prosseguir e mergulhou a cabeça nas
mãos, como se desejasse esconder-se de si mesmo.
A essa altura da cena constrangedora, verifiquei, então, sem
vislumbres de dúvida, que as entidades visitantes eram da pior
espécie, de quantas conhecia eu nas regiões das sombras.
Irritadas talvez com o recuo do companheiro, que se revelava
triste e humilhado, prorromperam em grande algazarra, acercando-se mais intensamente de nós, sem o mínimo respeito.
– Impossível que nos arrebatem Marcondes! – disse uma delas, enfaticamente, – Afinal de contas, vim de muito longe para
perder meu tempo assim, sem mais nem menos!
– Ele mesmo nos chamou para a noite de hoje – exclamou a
segunda, atrevidamente – e não se afastará de modo algum.
Sertório ouvia com serenidade, evidenciando íntima compaixão.
A terceira entidade, que parecia reter instintos inferiores mais
completos, aproximou-se de nós com terrível expressão de sarcasmo e falou, dando-me a entender que aquela não era a primeira
vez que Sertório procurava o sitio para os mesmos fins e nas
mesmas circunstâncias:
– Os senhores não passam de intrusos. Marcondes é fraco,
deixando-se impressionar pela presença de ambos. Nós, todavia,
faremos a reação. Não conseguirão arrancar-nos o predileto.
E gargalhando, irônica, acentuava:
– Também temos um curso de prazer. Marcondes não se afastará.
Contrariamente aos meus impulsos, Sertório não demonstrava
a mínima atenção. As palavras e expressões daquela criatura,
porém, irritavam-me.
Ao meu lado, o auxiliar de Alexandre mantinha-se extremamente bondoso. A própria vítima permanecia humilde e triste.
Porque semelhantes insultos?
Ia responder alguma coisa, no sentido de esclarecer o caso em
termos precisos, quando Sertório me deteve:
– André, contenha-se! Um minuto de conversação atenciosa
com as tentações provocadoras do plano inferior pode induzir-nos
a perder um século.
Em seguida, com invejável tranqüilidade, dirigiu-se ao interessado, perguntando, sem espírito de censura:
– Marcondes, que contas darei hoje de você, meu amigo?
O interpelado respondeu, lacrimoso e humilhado:
– Oh, Sertório, como é difícil manter o coração nos caminhos
retos! Perdoe-me... Não sei como isto aconteceu... Não posso
explicar-me!
Mas Sertório parecia pouco disposto a cultivar lamentações e.
mostrando-se muito interessado em aproveitar o tempo, interrompeu-o:
– Sim. Marcondes. Cada qual escolhe as companhias que prefere. Futuramente você compreenderá que somos seus amigos
leais e que lhe desejamos todo o bem.
Despejaram as mulheres nova série de frases ridicularizadoras. Marcondes começou, de novo, a lastimar-se, mas o mensageiro de Alexandre, sem hesitar, tomou-me a destra e regressamos à
via pública.
– Voltemos imediatamente – disse ele, decidido.
– E em que ficamos? – indaguei – não vai acordá-lo?
– Não. Não podemos agir aqui do mesmo modo. Marcondes
deve demorar-se em tal situação, para que amanhã a lembrança
desagradável seja mais duradoura, fortificando-lhe a repugnância
pelo mal.
– Que fazer, então? – perguntei, espantado.
– Diremos ao nosso orientador o que ocorre – redargüiu Sertório, calmamente – é o que nos cabe levar a efeito.
E, sintetizando longas considerações que poderia expender relativamente ao assunto, frisou:
– Por agora, André, chama-nos o dever mais alto, no campo
de nossa jornada para Deus. Entretanto, quando terminarem as
instruções da noite, voltarei a ver o que é possível efetuar em
favor de nossos pobres amigos. No momento, não devemos perder
os minutos. As preleções de Alexandre não se destinam somente
ao preparo dos nossos irmãos que ainda se ligam aos envoltórios
de carne, na superfície da Crosta; são igualmente valiosas para
nós outros, que necessitamos enriquecer possibilidades para socorrer, com êxito, os companheiros encarnados.
– Sim, concordo – respondi. – No entanto, a situação de Vieira e Marcondes sensibiliza-me fundamente.
Sertório, porém, cortou-me a palavra, rematando, seguro de si
mesmo:
– Conserve seu sentimento, que é sagrado; não se arrisque,
porém, a sentimentalismo doentio. Esteja tranqüilo quanto à assistência, que não lhes faltará no momento oportuno; não se esqueça,
porém, de que, se eles mesmos algemaram o coração em semelhantes cárceres, é natural que adquiram alguma experiência
proveitosa à custa do próprio desapontamento.'''